Lista fechada pode 'engessar' Congresso e garantir foro privilegiado, dizem pesquisadores




Lista fechada pode 'engessar' Congresso e garantir foro privilegiado, dizem pesquisadores
Elisa Clavery ,
O Estado de S.Paulo
22 Março 2017 


Acadêmicos afirmam que modelo defendido pelo Congresso distancia eleitor de candidatos e alertam sobre superconcentração de poder a partidos

Debatida na proposta de reforma política, a lista fechada pode engessar a composição do Congresso Nacional e garantir o foro privilegiado a parlamentares suspeitos de envolvimento no esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato, dizem especialistas consultados pelo Estado. Nesse sistema eleitoral, o voto é destinado ao partido, que, por sua vez, determina o parlamentar que vai ocupar uma cadeira no Parlamento. O modelo virou alvo de manifestação convocada para o próximo dia 26.
Foto: Adriano Machado/Reuters
Maia e Eunício
Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à esq., e do Senado, Eunício Oliviera (PMDB-CE) defendem lista fechada
A professora de Direito da Fundação Getulio Vargas (FGV-Rio) Silvana Batini destaca o barateamento das campanhas eleitorais com uma eventual mudança. "No sistema proporcional de lista aberta, que temos hoje, cada candidato tem de conquistar pessoalmente muitos votos. Se o partido fizer uma campanha única, pode concentrar os recursos", afirmou.
Segundo a pesquisadora, porém, o modelo não deveria ser adotado no Brasil da forma que está sendo discutido. Para facilitar a aprovação no Congresso, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), querem propor prioridade aos atuais deputados no "ranking" das listas - o que lhes garantiria o foro privilegiado. "A ideia não pode ser perpetuar as pessoas no poder", criticou Silvana. "A lista fechada deixa o nome do candidato escondido dos eleitores, e isso pode favorecer as pessoas investigadas por corrupção".
Para a cientista política da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Maria do Socorro Sousa Braga, a reforma política vai na contramão do cenário brasileiro hoje, com a Lava Jato. As mudanças poderiam ser vistas pelo eleitorado como um oportunismo dos parlamentares para se livrarem da investigação. "A gente já tinha um 'gap' entre a sociedade civil e classe política e isso tem aumentado depois que se revelou a corrupção no País", afirmou. "A elite partidária não quer se dar conta de que está sendo extremamente desacreditada. Uma mudança dessas, para voto direto no partido, pode diminuir ainda mais o número de pessoas que se dispõem a votar, que já foi baixíssimo nas eleições municipais."
Tanto a lista fechada quanto o atual modelo de lista aberta adotam o sistema proporcional de votos - isto é, cada partido obtém um número de cadeiras proporcional aos votos que recebeu. "A diferença é que, na aberta, além de ajudar a determinar quantas cadeiras um partido vai ter, o eleitor escolhe quem vai ocupar aquela cadeira", disse Fernando Neisser, membro-fundador da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e presidente da Comissão de Direito Eleitoral do Instituto dos Advogados de São Paulo (Iasp). "O problema atual é que o eleitorado, muitas vezes, não tem a percepção de que também está votando no partido e ajudando a eleger outros candidatos da sigla."
Para Neisser, a lista fechada seria o sistema ideal, não fosse o cenário partidário do Brasil. "A mudança só deve ser feita se for acompanhada de uma reforma estrutural dos partidos, de uma grande abertura democrática", disse Neisser. Entre as medidas estão a proibição de reeleições nos cargos de cúpula partidária, para tentar reduzir o controle familiar, a paridade de gênero nas direções partidárias, a transparência nas contas dos partidos e prévias obrigatórias para a escolha dos candidatos. "Quem deve escolher a ordem dos candidatos numa lista fechada é o partido, mas quem é o partido? O corpo de filiados, por meio de prévias. Isso obriga os pré-candidatos a se aproximarem das bases."
O pesquisador da FGV Direito SP Diogo Rais lembra que, no Brasil, houve mais mudanças na lei eleitoral do que eleições - foram 11 alterações desde 1997, quando foi criada a legislação eleitoral, e dez pleitos. "Reformar pontualmente deixa tudo muito instável. E quem faz a norma eleitoral são os jogadores, que movem toda hora a regra do jogo que eles mesmos vão disputar", afirmou o professor, que coordenou o Projeto Observatório da Lei Eleitoral no ano passado.
Ele destaca que a lista fechada pode ter pontos positivos, como o fortalecimento dos partidos. "No Brasil, há muitos partidos e quase nenhuma identidade partidária", disse Rais. Outra vantagem da lista seria a possibilidade de criar mecanismos para agregar minorias. "Se houvesse uma cota preestabelecida, a lista fechada poderia, por exemplo, fazer valer uma distribuição de gênero mais efetiva, com proporções iguais de homem e mulher no ranking partidário."
Rais afirmou acreditar, porém, que o fortalecimento partidário poderia se transformar em uma superconcentração de poder, caso não haja mecanismos para garantir a democracia interna da legenda. "Isso poderia levar a uma autonomia partidária elevada, empoderando demais os dirigentes, que vão determinar a lista", disse.
Para o pesquisador, a maior discussão não é o modelo, mas seu uso. "A lista fechada pode ser o instrumento certo, mas na hora errada. Com mais de 30 partidos políticos e um número muito grande de parlamentares sob investigação, a chance de o uso ser deturpado parece grande, o que pode criar um afastamento ainda maior da sociedade. Isso seria um desastre."
Consulta popular 
Se por um lado a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, já se posicionou favorável à convocação de um referendo ou plebiscito para ouvir a sociedade sobre a reforma política, o ministro Gilmar Mendes, presidente do Superior Tribunal Eleitoral (TSE), é contrário a essa ideia. E tanto Neisser quanto Rais concordam com o ministro. "Temas tão técnicos quanto esse são difíceis de ser colocados em um plebiscito. Tenho receio de que caia numa escolha populista, seja para qual lado for", diz Neisser.

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.