Obras do Metrô de SP abasteceram esquema de propina para Alckmin e Kassab, dizem delatores



Obras do Metrô de SP abasteceram esquema de propina para Alckmin e Kassab, dizem delatores
19/04/2017


Obras do metrô de SP ainda paradas abasteceram esquemas da Odebrecht
Executivos da Odebrecht citaram que dinheiro desviado era para a construção da Linha 6 - Laranja, que está parada desde 2016.

As obras da Linha 6 - Laranja do Metrô de São Paulo serviram para abastecer o esquema de propina da Odebrecht para influenciar políticos e financiar o caixa dois de campanhas eleitorais. Nas delações, os executivos da Odebrecht citaram que o dinheiro desviado do Metrô beneficiou o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o ministro Gilberto Kassab (PSD).

O projeto da linha tem 15 estações e 15 km de extensão e ligaria o Centro à Zona Norte de São Paulo. O contrato para a construção, uma Parceria Público Privada estimada em R$ 9 bilhões, foi assinado no final de 2013, mas as obras estão totalmente paralisadas desde 2016 por falta de financiamento.

Em vídeo gravado pelos investigadores da Lava Jato, Arnaldo Cumplido, ex-executivo da Odebrecht, relata pagamentos superiores a R$ 6 milhões em caixa 2 para a campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) ao governo de São Paulo em 2014.
À época, Cumplido era o responsável pelo contrato de construção da Linha 6 - Laranja e encarregado de liberar as transferências ilegais.

No depoimento, ele afirma que os pagamentos eram orientados por Luiz Antônio Bueno, seu chefe direto, via e-mail. De acordo com o ex-executivo, o dinheiro era destinado a “Salsicha” e “MM”, ambos codinomes de Marcos Monteiro, tesoureiro da campanha de Alckmin naquele ano.

O projeto da linha Laranja é citado também na delação de Celso da Fonseca, ex-executivo da Odebrecht. O delator disse que Sergio Brasil, que foi diretor de assuntos corporativos do Metrô, pediu propina pelo esforço que fez para viabilizar o contrato da linha.

Segundo Fonseca, Sergio Brasil já tinha pedido propina pela construção da Linha - 5 Lilás em 2008. O esquema ilegal mirava o longo prazo. As propinas eram distribuídas imaginando que políticos influentes poderiam atuar no futuro em beneficio para a empresa.



Gilberto Kassab passou a ser visto como uma aposta por executivos da Odebrecht. Segundo Paulo Cesena, ex-diretor da construtora, a empresa tinha um programa de R$ 14 milhões destinado a ele entre 2013 e 2014.

Em 2015 Kassab se tornou ministro das Cidades. A pasta é responsável por verbas federais destinadas a projetos de mobilidades. De acordo com Cesena, Kassab deu benefício fiscal para a Odebrecht emitir debêntures, títulos para captar dinheiro no mercado.

No caso específico das debentures da Linha 6, foi feita essa solicitação ao Ministério das Cidades e a Odebrecht obteve o enquadramento – primeiro passo para esse tipo de captação de recurso. O projeto não foi adiante porque a obra está parada.

Criação de partido
O ex-executivo da Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Júnior detalhou em depoimento pagamentos feitos entre 2008 e 2014 pela empreiteira, a pedido do atual ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab (PSD-SP). A maior parte de um total de R$ 21,3 milhões teria sido paga através de caixa dois.

Benedicto Júnior é um dos ex-dirigentes da empreiteira que fecharam acordo de delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato. As delações foram homologadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O delator afirmou que, em 2013, foi procurado por Kassab e recebeu um pedido de ajuda para a criação de um novo partido: o PSD. Após a solicitação, segundo ele, foram feitos pagamentos entre novembro de 2013 e setembro de 2014, totalizando R$ 17,9 milhões.

“O doutor Kassab sabia que esse dinheiro era por caixa dois, era um número expressivo. Não era factível fazer uma doação de R$ 17 milhões da Odebrecht para o PSD e eu disse a ele como nós poderíamos operacionalizar pelo setor de operações”, afirmou, em depoimento.

Outro lado

Em nota o governador Geraldo Alckmin disse que sempre exigiu que as suas campanhas eleitorais fossem feitas dentro da lei e jamais pediu doações ilícitas e nem autorizou quem quer que fosse fazê-las em seu nome.

A assessoria do ex-prefeito Gilberto Kassab disse em nota que, em 2013, o PSD já estava consolidado e não havia, portanto, necessidade de apoio para a criação de novo partido.

Falou ainda que não havia, na época, perspectiva de que Kassab assumisse o ministério das cidades. E sobre os projetos citados na deleção de Paulo Cesena, a empresa não conseguiu realizar a emissão das debêntures ou finalizar a aprovação do financiamento com aval de diferentes órgãos federais.

Também em nota, a secretaria dos Transportes Metropolitanos disse que acompanha com atenção os conteúdos das delações. E no caso da participação de funcionários e ex-funcionários em qualquer tipo de crime, a secretaria espera que eles sejam julgados e, se condenados, punidos.

Do G1

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.