Palavra de ordem de salvação nacional



Palavra de ordem de salvação nacional 


Os povos se movimentam, quando seus direitos básicos são calcados aos pés. Ocorre com o povo brasileiro, há alguns anos. 
Movimentar-se é uma coisa; outra, movimentar-se em rumo definido, ainda que não seja o melhor. 
Essa direção falta a ambos os grupos, que não deviam, mas se entredevoram. É falsa a dicotomia entre esquerda e direita. 
Os advogados Modesto Carvalhosa, Flávio Bierrenbach e José Carlos Dias, em cujo trajeto histórico neste País foram além da advocacia, mas se limitaram a dizer-se advogados, o que é o bastante, trouxeram uma luz importantíssima à Nação Brasileira. Não foram ousados. Suas batalhas os credenciam. 
A luz estava latente nas palavras de muitos conhecedores dos problemas do País, mas apagada. Não raro,  é necessário tirar a roupa que esconde o óbvio. 
O rumo, nesses momentos, deve ser um só. Do contrário, dispersamo-nos, como não queria o saudoso Tancredo Neves. 
E a conclamação, publicada no Jornal "O Estado de São Paulo do último domingo 9 de abril, consistiu em convocar-se o povo para uma nova Assembleia Nacional Constituinte, definida, por plebiscito, se originária e independente, ou congressual. A palavra será do povo. Os ilustres manifestantes adiantaram alguns pontos que gostariam de ver no texto. Mas a última palavra será dos constituintes. Quem participar dessa seleta assembleia não poderá candidatar-se a cargos públicos numa quarentena de oito anos. Certíssimo. 
Numa única voz, azuis ou vermelhos, devemos levantar essa bandeira única. Nossa Constituição de outubro nasceu velha, posto que promulgada depois da simbólica queda do muro de Berlim. Não se poderia, porém, esperar. Todos estávamos ávidos do texto, que já foi remendado mais de noventa vezes. 
Essa proposta unifica. Todos poderão levantar a bandeira. É o de que precisa o Brasil. O fenômeno da propositura e da unificação que vem em seu processo tem nome: é dialógico. Ninguém discordará da elaboração de nova Constituição. Em sua confecção substancial, certamente haverá dissensões. Não fosse assim e não seria Constituinte. E, talvez, resgatemos um tão sonhado consenso em torno de vários pontos. Seja como for, as propostas serão votadas e aprovadas por maioria, como sempre ocorre em todo o mundo. 
O governo pode insistir em outros caminhos, mas o povo brasileiro passa a ter um único: PLEBISCITO, CONVOCADO POR 1/3 DOS PARLAMENTARES, APROVADO POR MAIORIA SIMPLES, PARA SABER-SE SE A NOVA CONSTITUIÇÃO, QUE URGE, SERÁ ORIGINÁRIA E INDEPENDENTE, OU ELABORADA PELOS CONGRESSISTAS. 
Em torno disso o povo deve agitar suas bandeiras nas ruas do Brasil. 

Amadeu Roberto Garrido de Paula, é Advogado e sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados. 

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.