Com ajuda de políticos, lobby do amianto tenta liberar sua venda no país


Com ajuda de políticos, lobby do amianto tenta liberar sua venda no país 
29/05/2017
COMBATE - Racismo Ambiental


Gilmar Mendes recebe o grupo Eternit e a ''bancada do Crisotila'' no STF (Foto: Gervásio/SCO/STF)

Por André Campos, Carlos Juliano Barros e Caue Angeli, especial para o Blog do Sakamoto*
”Mas o amianto já não está proibido?”
Certamente, essa é a pergunta mais recorrente quando o assunto é amianto no Brasil. No entanto, como muita gente nem sabe do que se trata, vale uma breve introdução: o amianto é uma fibra mineral barata, maleável e super resistente ao calor. Por isso, é largamente utilizada na construção civil, principalmente na fabricação de telhas. Só que há um detalhe inconveniente: o amianto é cancerígeno. Uma vez respiradas, suas fibras podem desencadear doenças pulmonares devastadoras que levam até quatro décadas para se manifestar. Uma verdadeira bomba relógio.
Neste momento em que as Reforma Trabalhistas e a da Previdência, sob o pretexto de facilitar a vida dos empresários e reanimar nossa economia, pretendem ”flexibilizar” a proteção que o Estado estende aos trabalhadores brasileiros, a questão do amianto é um ótimo termômetro para entender o que realmente está em jogo.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que não há níveis seguros de exposição a qualquer volume e a qualquer variedade de amianto. Por conta disso, oito estados – AM, MG, MT, PE, RJ, RS, SP e SC – proibiram o uso desse minério. Mas uma ação apoiada por representantes do setor tenta reverter esses avanços e liberar novamente a venda do amianto em todo o país. O caso está sendo julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
Afinal, a quem interessa o uso de uma fibra cancerígena já banida em quase 70 países e plenamente passível de substituição por tecnologias alternativas? Por que o Estado brasileiro ainda permite que interesses de grupos privados coloquem em risco a saúde de trabalhadores e da população em geral?
Há décadas, a indústria do amianto investe pesado em campanhas publicitárias e pesquisas científicas pagas para convencer tribunais e a opinião pública de que a variedade usada no país não é tão ruim assim. Evidentemente, os políticos não ficam de fora do lobby. Desde as eleições de 2002, a indústria do amianto doou – oficialmente – mais de R$ 15 milhões a cerca de 150 candidatos. Alguns deles estão hoje enrolados na Lava Jato por oferecer ”facilidades” em troca de propina.
É o caso de Marconi Perillo (PSDB-GO), o atual governador de Goiás, e do ex-senador Demóstenes Torres, cassado no escândalo que ficou conhecido como a ”Máfia dos Caça-níquéis”. Acompanhados de representantes do grupo Eternit, maior fabricante de telhas de amianto do Brasil, ambos estiveram no gabinete do ministro do STF Gilmar Mendes em 2008. Na pauta, a entrega de documentos contra o banimento do mineral.
Mas o lobby do amianto não escolhe matizes ideológicas. Campanhas de Dilma Roussef e Jaques Wagner (PT-BA), entre outros petistas, também já receberam recursos da Eternit.
Parlamentares bancados pelo dinheiro do amianto usam as tribunas do Congresso Nacional para defender a indústria com base em mentiras descaradas (”o amianto brasileiro não é cancerígeno”) e desculpas demagógicas (”o amianto é usado especialmente pelas populações carentes das favelas”).
Enquanto isso, os dados do Ministério da Saúde mostram que as mortes causadas pelo amianto continuam crescendo, ano após ano. A indústria alega que são operários contaminados antes de 1980, quando não havia qualquer controle nas fábricas. Articulado em torno do Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC), o setor argumenta que, com o advento de medidas de saúde e segurança, ninguém mais adoeceu no ambiente de trabalho nas últimas três décadas.
Mas a prática passa longe dos discursos de responsabilidade social. Em fiscalizações recentes, o Ministério Público do Trabalho (MPT) encontrou operários expostos a volumes de poeira consideráveis e preocupantes. É sempre necessário lembrar que os primeiros sintomas das doenças do amianto levam décadas para aparecer – e que a latência é conveniente para empresários que ainda fazem fortuna com o minério. Se ainda estiverem vivos até lá, eles só serão chamados a responder pelos contaminados de hoje quando as reservas de amianto no Brasil já tiverem sido esgotadas.
Também não podemos nos esquecer do elo final dessa cadeia produtiva: o consumidor que se expõe a riscos ao comprar e serrar telhas de amianto. Ou alguém acha que na vida real as pessoas usam máscaras de astronauta para reformar suas casas? Uma rápida pesquisa no Youtube é bastante instrutiva nesse sentido. Entre os doentes já diagnosticados com fibras de amianto nos pulmões, ressalte-se, há brasileiros que jamais colocaram os pés em fábricas ou em áreas de mineração da fibra.
Essa história é um autêntico thriller. E vai ganhar as telas com a estreia do documentário ”Não Respire – Contém Amianto”, uma realização da Repórter Brasil, na 6a. Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, em São Paulo. A estreia é no dia 02 de junho, no Centro Cultural São Paulo, às 20h. Para mais informações, visite o site oficial do filme, clicando aqui.
*André Campos, Carlos Juliano Barros e Caue Angeli são jornalistas e autores do documentário.
Fonte: COMBATE - Racismo Ambiental

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.