Cientistas desenvolvem substância que pode reparar ossos fraturados




Cientistas desenvolvem substância que pode reparar ossos fraturados
Por iG São Paulo | 06/07/2017

Gel que pode salvar ossos fraturados deverá ser testado em humanos nos próximos anos
shutterstock
Gel que pode salvar ossos fraturados deverá ser testado em humanos nos próximos anos

Criado por pesquisadores do Brasil, Argentina e Espanha, gel pode ser a solução para a recuperação do tecido ósseo sem interferência de cirurgia

Um grupo de pesquisadores conseguiu desenvolver uma alternativa simples que pode recuperar ossos fraturados. Com o uso de engenharia de tecidos, cientistas brasileiros, argentinos e espanhóis se reuniram para criar um biomaterial que poderia ser capaz de resolver problemas como lesões e perdas ósseas seja por causas adquiridas ao longo do tempo, ou antes mesmo do nascimento.
O estudo que prevê uma solução para os ossos danificados foi publicado na revista Tissue Engeneering Part A. De acordo com o professor João Paulo Mardegan Issa, da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (Forp) da USP, que faz parte da equipe internacional que testou o produto, conta que, depois de tantos experimentos, eles chegaram a uma substância que pode ser considerada como um gel biodegradável que, ao ser injetado no defeito ósseo e “colabora no processo cicatricial desta lesão”.
O produto foi sintetizado a partir de elastina natural, que é uma proteína responsável pelas fibras elásticas de tendões e ligamentos do organismo. Dessa forma, uma outra proteína, conhecida por estimular a formação óssea,  foi agregada àquela, junto a uma sequência de aminoácidos que promovem adesão celular.

Teste

A substância foi testada no laboratório da professora Sara Feldman, da Faculdade de Medicina da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina. Com o experimento, foi possível confirmar a técnica de regeneração óssea a partir da introdução do gel em lesões do osso femoral dos animais, que tiveram essa parte do corpo reparada, com a formação de um novo osso.
De acordo com os cientistas, esse resultado é muito significativo, pois pode ser utilizado, em um futuro próximo, no tratamento de fraturas sem colocação de implantes e cirurgias invasivas.
A professora ainda garante que o material que compõe o gel não é tóxico, integra-se ao ambiente celular, estimula a formação de um novo tecido e é biodegradável.
No entanto, as pesquisas continuam avançando. Apesar de os pesquisadores acreditarem que os testes em humanos deverão ser feitos em alguns anos, agora é preciso verificar, por meio de técnicas de biologia molecular, se os efeitos serão os mesmos em pessoas.
Fonte: Saúde - iG 


Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.