Cientistas mudam DNA de embriões humanos pela 1ª vez nos EUA com nova técnica de edição genética

Cientistas mudam DNA de embriões humanos pela 1ª vez nos EUA com nova técnica de edição genética
Por G1
Ilustração mostra atividade da CRISPR alterando a sequencia genética de molécula de DNA (Foto: S. Dixon/F. Zhang/Divulgação)
Artigo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts foi publicado nesta quarta-feira e diz que avanço científico foi recebido com "admiração, inveja e um pouco de alarme".


Cientistas dos Estados Unidos usaram uma nova e revolucionária técnica de edição genética para modificar o DNA de embriões humanos. O avanço foi divulgado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, sigla em inglês) nesta quarta-feira (26) e foi recebido com "admiração, inveja e um pouco de alarme", de acordo com o artigo.

A comunidade científica está alarmada porque a técnica envolve um longo debate ético com relação à modificação do DNA humano. O método Crispr-Cas9 é um dos maiores avanços científicos recentes. Em resumo, consegue "recortar" o DNA de forma barata e rápida -- antes a edição genética era uma técnica cara e sem uma possibilidade fácil de expansão.

Após cientistas conseguirem aprimorar o Crispr para uso prático em 2012, em 2015 sua popularidade explodiu e seus usos são incontáveis. Já foi usado para criar cães extramusculosos, porcos que não contraem viroses, amendoins antialérgicos e trigo resistente a pragas. O debate ético gira ao redor disso: devemos criar seres humanos com material genético editado?

A resposta dos pesquisadores do Crispr é que a técnica deverá ser regulamentada. O seu principal objetivo, segundo os cientistas, é mostrar que é possível erradicar ou corrigir genes que causam doenças hereditárias. A técnica é apontada como uma futura solução para a cura de doenças como o Alzheimer, câncer e a Aids.

Esta é a primeira vez que os embriões são modificados em terras norte-americanas. O esforço foi liderado por Shoukhrat Mitalipov, da Universidade de Saúde e Ciência de Oregon, e envolveu a mudança de um grande número de embriões, de acordo com o texto do MIT. A técnica já havia sido usada para editar embriões humanos em outras três ocasiões, todas as vezes na China.



Entenda o que é o Crispr

Nenhum dos embriões editados pelos pesquisadores dos EUA conseguiu se desenvolver por mais de alguns dias -- e, por enquanto, não houve uma tentativa de implantá-los em um útero. De qualquer forma, o texto publicado pelo MIT diz que "os experimentos são um marco para o que pode se revelar uma jornada inevitável para o nascimento do primeiro humano geneticamente modificado".
Do G1

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.