MPE denuncia três coronéis, um tenente-coronel e um cabo da PM por esquema de grampos



Isso já aconteceu em Ourinhos
MPE denuncia três coronéis, um tenente-coronel e um cabo da PM por esquema de grampos
Por Carolina Holland, G1 MT

Ex-secretário de Segurança, Mauro Zaque, governador Pedro Taques, e o ex-comandante da PM, Zaqueu Barbosa (Foto: Chico Valdiner/Gcom-MT)
Ex-secretário de Segurança, Mauro Zaque, governador Pedro Taques, e o ex-comandante da PM, Zaqueu Barbosa (Foto: Chico Valdiner/Gcom-MT)

PMs são acusados de ação militar ilícita, falsificação de documento, falsidade ideológica e prevaricação. Mais de 100 pessoas foram vítimas de arapongagem.

Os coronéis Zaqueu Barbosa, Ronelson Barros e Evandro Lesco, ex-chefe da Casa Militar, o tenente-coronel Januário Batista, e o cabo Gerson Correa Junior, todos da Polícia Militar de Mato Grosso, foram denunciados pelo Ministério Público por ação militar ilícita, falsificação de documento, falsidade ideológica e prevaricação. Os PMs são acusados de fazerem parte de um esquema de espionagem por meio de grampos telefônicos, entre outubro de 2014 e agosto de 2015.

Mais de 100 pessoas que não eram suspeitas de terem cometido crimes foram espionadas, entre elas jornalistas, uma deputada de oposição, médicos, servidores públicos, empresários, advogados e um desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

O G1 ainda não conseguiu falar com a defesa dos policiais. Os crimes dos quais os policiais são acusados estão previstos na legislação militar. A denúncia está em sigilo, segundo o Ministério Público do Estado, por isso não foram dados mais detalhes sobre a acusação. Quatro dos cinco denunciados estão presos preventivamente. O tenente-coronel Januário Batista, que também chegou a ser preso de forma preventiva, foi solto na última sexta-feira (14).

Interceptações clandestinas

Os grampos foram operados pela PM por meio do Núcleo de Inteligência, numa suposta investigação sobre a participação de policiais em tráfico de drogas. Porém, a polícia pediu à Justiça a autorização para quebrar o sigilo telefônico de pessoas que não tinham nada a ver com essa apuração.

Os pedidos eram assinados pelo cabo Gerson Correa Junior, que na época era cedido ao Gaeco (Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado). Ele foi preso no dia 23 de maio, quando já estava lotado na Casa Militar, que entre as atribuições está a de fazer a segurança do governador do estado. Na mesma data foi preso também o coronel Zaqueu Barbosa, que comandou a PM em 2015.

O coronel Evandro Lesco, que comprou no próprio nome e no valor de R$ 24 mil um equipamento que pode ser usado para escutas telefônicas, foi preso no dia 23 de junho, quando ainda ocupava o cargo de secretário-chefe da Casa Militar. Da nota de compra consta como endereço de entrega o Comando da PM, em Cuiabá. Ao G1, a instituição negou ter recebido o aparelho. Depois da prisão, o militar foi afastado do cargo no governo.

No dia 23 de junho foram presos ainda o então secretário-adjunto da Casa Militar, Ronelson Barros, que depois também foi afastado do cargo, e o tenente-coronel Januário Batista, comandante do 4º Batalhão da PM em Várzea Grande, na região metropolitana da capital.

Investigações

O promotor de Justiça Mauro Zaque, que comandou a Secretaria de Segurança Pública em 2015, denunciou o caso à Procuradoria-Geral da República, afirmando que alertou o governador Pedro Taques (PSBD) sobre a existência de um "escritório clandestino de espionagem" por meio de dois ofícios. O primeiro chegou a ser enviado para o MPE, mas a investigação foi arquivada por falta de provas.

O segundo, que o governador alega nunca ter recebido, foi protocolado na Casa Civil, mas cancelado no mesmo dia e substituído por outro, conforme apontou auditoria da Controladoria Geral do Estado. Antes do relatório da CGE vir à tona, Taques chegou a entrar com representação contra Zaque em instituições como o Conselho Nacional do Ministério Público e a PGR, acusando-o de falsificação de documento público.

Dias antes do escândalo ser revelado em reportagem do Fantástico, em maio, o secretário-chefe da Casa Civiil, Paulo Taques, primo do governador, deixou o cargo. O próprio Paulo Taques, alegando estar sofrendo ameaças, pediu à Sesp para que fossem interceptados os telefones de uma ex-amante e de um jornalista.

Fora do governo, Paulo Taques, que é advogado, defende Pedro Taques e ainda o secretário de Justiça e Direitos Humanos, o coronel da PM Airton Siqueira Júnior, no caso.

Além da PGR, que apura se o governador tinha ciência da espionagem ocorrida durante a gestão dele, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso também investiga o esquema.

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.