Caixa: presidente nega contratação sem concursos

Técnico bancário
Caixa: presidente nega contratação sem concursos
AC, AL, AP, AM, BA, CE, DF, ES, GO, MA, MT, MS, MG, PA, PB, PR, PE, PI, RJ, RN, RS, RO, RR, SC, SP, SE, TO
CEF

Paralelo à afirmação, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) defende a contratação dos remanescentes do último concurso da Caixa e de novas seleções


Logo depois de ser divulgado que a Caixa Econômica Federal (CEF) alterou uma normativa interna que permite a contratação de bancários temporários, o presidente da instituição, Gilberto Occhi, divulgou que não há a intenção de contratar técnicos bancários sem concursos públicos.

Após participar da cerimônia de assinatura da distribuição de parte dos lucros do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço aos trabalhadores, Occhi disse que “essa mudança na regulamentação foi muito mais para adequar a legislação aprovada às regras da Caixa. Não significa dizer que temos intenção. Momentaneamente, não há intenção da Caixa de fazer nenhuma contratação terceirizada para algum tipo de posto de trabalho dentro do banco".

Vale lembrar que, na última semana, a Caixa tomou uma medida que abriria espaço para a admissão de terceirizados ao invés dos concursados. De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, ela foi adequada com a lei 13.429/2017, que trata sobre a contratação de terceirizados.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT) divulgou nota em que repudia a ação. “Vamos continuar exigindo que sejam convocados para assumir os cargos os aprovados no último concurso realizado pela Caixa”, comentou o presidente Roberto von der Osten.

A confederação discutirá este assunto em reuniões a serem realizadas ainda este mês. Ela reprova tal medida e a classifica como um desmonte para a estatal.

Contratação dos remanescentes


A segunda turma do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT 10), em Brasília, iniciou, no último dia 7 de junho, o julgamento da ação civil pública impetrada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) sobre a convocação dos aprovados no concurso público realizado pela Caixa Econômica Federal (CEF) em 2014. Porém, a análise foi adiada, em decorrência de pedido de vistas do processo.

CURSO ONLINE CAIXA
Na ocasião, o representante do MPT, Adélio Justino Lucas, defendeu a manutenção da decisão da juíza do trabalho substituta Natalia Queiroz Cabral Rodrigues, da 6ª vara do trabalho, de 6 de outubro de 2016. A instituição já havia recorrido da decisão, mas teve seu recurso negado pela magistrada em 1º de fevereiro deste ano. Com novo recursos, agora o processo tramita na segunda turma. 

Já o relator, desembargador Alexandre Nery de Oliveira, defendeu a legalidade da realização do concurso somente para formar cadastro reserva de pessoal, sem obrigatoriedade das contratações.

O presidente da segunda turma, Mário Macedo Caron, e o magistrado Gilberto Augusto Leitão pediram vistas do processo, por considerar necessária uma análise mais aprofundada do caso. Com isto, ainda não há uma data para a retomada do julgamento. 

A Ação Civil Pública impetrada pelo MPG do Distrito Federal cobra a convocação de aprovados no último  concurso para os cargos de técnico bancárioengenheiro e médico do trabalho.

Por enquanto, segue a determinação judicial de que a instituição convoque, no mínimo, 2.000 aprovados no certame.
Conforme a decisão de 2016, embora o banco tenha reforçado que contratou 2.093 aprovados até dezembro de 2015, o que cumpre a previsão inicial de 2.000 vagas, "tais contratações ocorreram concomitantemente com um plano de desligamentos voluntários instituído na ocasião, caracterizando que as convocações foram apenas para substituição imediata, tendo como resultado a diminuição, em decorrência dos desligamentos, em vez de aumento do número de funcionários".

Com isto fica determinada a prorrogação da validade do concurso até o trânsito em julgado da decisão, ou seja, até que não exista mais possibilidade de recurso. Além disso, pela decisão, a CEF deverá “apresentar, no prazo de seis meses, um estudo de dimensionamento do seu quadro de pessoal, com indicativo das reais necessidades de contratações, baseados nos cargos indicados nos editais mencionados nesta decisão e publicados em 2014; e, em seguida, promova a convocação,para fins de admissão de todos os trabalhadores aprovados nos concursos públicos mencionados nesta decisão, observada a cláusula 50 da CCT, ou seja, no mínimo, 2.000 novos empregados, seja técnico bancário, seja da carreira profissional, considerados o quadro de pessoal da época da confecção da referida cláusula convencional  (ano de 2014)”. A juíza especifica que o total de 2.000 mil contratações não deve considerar candidatos já nomeados em decorrência de decisões jurídicas individuais.

Além disso, a decisão diz que “não entendo razoável permitir-se a reiteração ilógica de concursos públicos para a formação de cadastro reserva, sem que se garanta a efetiva possibilidade de contratação dos aprovados, observando obviamente a necessidade de trabalhadores efetivos pela empregadora”.

A juiz também apontou que quanto ao argumento da falta de dotação orçamentária, “editais carreados aos autos referentes à contratação de mão-de-obra terceirizada são outra prova de que o empecilho para a não convocação dos candidatos aprovados nos certames não foi ausência de dotação orçamentária, mas sim a conveniência do administrador”.

Caso o banco não apresente o levantamento no prazo previsto, deverá pagar multa de R$ 500 mil.

Carência de pessoal


A contratação de pessoal é uma das maiores reivindicações dos servidores da Caixa. No final de agosto, representantes do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região, durante encontro mensal com diversas áreas do banco, entregaram aos representantes das superintendências regionais as demandas da categoria por mais empregados em diversas agências.

De acordo com o diretor do sindicato, Francisco Pugliesi, a falta de pessoal e a consequente sobrecarga de trabalho são condições gerais na instituição e, durante o evento, foram destacadas algumas unidades em São Paulo que apresentam maior urgência de pessoal.

Ainda segundo dados do sindicato, no período de junho de 2015 a junho de 2016, a Caixa eliminou 2.235 postos de trabalho.

Mesmo com a prorrogação do prazo de validade do concurso de 2014, caso o banco resolvesse abrir nova seleção, seria permitido,desde que priorizada a nomeação dos aprovados no concurso prorrogado.

O motivo que levou à decisão judicial é que a instituição ainda conta com nada menos do que 29.689 remanescentes do certame aguardando convocação. 

Por enquanto, a Caixa chamou apenas 2.501 técnicos bancários aprovados no concurso, que contou com mais de um milhão de candidatos, sendo 33 mil classificados para o cargo. Do total, 2.299 são para oportunidades de ampla concorrência e 202 portadores de deficiências físicas.

Técnico bancário


O cargo de técnico bancário, um dos mais procurados do funcionalismo, exige apenas ensino médio, com remuneração de R$ 2.932,32, incluindo salário base de R$ 2.025 e R$ 907,32 de benefícios  - isso no concurso Caixa Econômica de 2014.

A grande procura se deve, ainda, aos benefícios oferecidos pela instituição, como possibilidade de evolução salarial ao longo da trajetória profissional, possibilidade de ascensão e desenvolvimento profissional, participação nos lucros e resultados, possibilidade de participação em plano de saúde de previdência complementar, auxílio refeição-alimentação, auxílio cesta-alimentação, possibilidade de participação em programa de elevação da escolaridade e desenvolvimento e programas de preservação da saúde, qualidade de finda e prevenção de acidentes.

Atribuições


Cabe ao técnico bancário da Caixa Econômica prestar atendimento e fornecer informações solicitadas por clientes e público,efetuar atividades administrativas necessárias ao bom andamento do trabalho da unidade, operar computador, terminais e outros equipamentos,instruir e relatar processos administrativos e operacionais, efetuar cálculos diversos referentes às operações,programas e serviços da Caixa, elaborar e redigir correspondências,preparar o movimento diário,manter atualizadas as operações, programas e serviços implantados eletronicamente, dar andamento em processos e documentos tramitados na unidade, realizar trabalho relativo à edição de textos e planilhas eletrônicas, arquivos, pesquisa cadastral, controle de protocolo e demais atividades operacionais e elaborar e preparar mapas, gráficos, relatórios e outros documentos.

Embora o último concurso Caixa Econômica tenha sido apenas para formar cadastro reserva de pessoal, a seleção contou com nada menos do que 1.156.744 inscritos em todo o país. A organizadora foi o Cespe/UnB.

Concurso Caixa Econômica


No edital da Caixa Econômica de 2014,constou que a prova objetiva teve 120 itens, sendo 50 de conhecimentos básicos e 70 de conhecimentos específicos. Em conhecimentos básicos foram 14 de língua portuguesa, com peso dois, e 36 sobre matemática,raciocínio lógico, atualidades, ética e legislação específica, com peso um. Conhecimentos específicos contou com peso dois. Os candidatos também foram submetidos a uma prova discursiva de conhecimentos específicos,com peso um.

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.