Influência da arborização na presença de serviços ecossistêmicos



Influência da arborização na presença de serviços ecossistêmicos

arborizacao-em-rio-claro-grande.jpg
Arvoretas de Falsa-murta (Murraya paniculata) empregada na arborização das calçadas em Rio Claro. Esta espécie exótica e de pequeno porte foi trazida do Sudeste asiático e hoje é uma das mais comuns nas cidades brasileiras. Fonte: Google Street View.
Pesquisa é realizada na cidade de Rio Claro
21/08/2017

As cidades brasileiras tiveram um grande e rápido crescimento da população após a metade do século passado, a ocupação urbana se expandiu desordenadamente causando condições desfavoráveis para os seus habitantes e para o ecossistema urbano. Um exemplo desse aspecto é visto na arborização. Em Rio Claro, como em muitas cidades, a forma como o espaço foi sendo consolidado com ruas estreitas, inviabilizou a arborização nas calçadas, árvores de grande porte estão principalmente em canteiros de avenidas centrais, e além disso nota-se uma tendência pela retirada destas e substituição por arvoretas ou arbustos. Essa mudança pode não contribuir tanto para a prestação de serviços ecossistêmicos dentro da cidade, ou seja, para a presença dos benefícios que as árvores podem proporcionar.

Entender qual o papel da arborização urbana na prestação desses benefícios é importante para o planejamento das cidades, no intuito de buscar uma relação mais sustentável com o ecossistema urbano e uma maior qualidade de vida aos seus habitantes.

Para analisar a influência da arborização foram escolhidas cinco áreas de coleta de dados, duas áreas contendo avenidas com arborização de grande porte, duas áreas com predominância de arbustos e uma com pouca arborização. Em cada área foram feitos 20 pontos visitados remotamente por meio da ferramenta Google Street View com auxílio do software Quantum Gis, onde se coletou dados de quantidade de árvores e área de copa e também dados da presença potencial de itens de serviços ecossistêmicos baseados em um aplicativo para smartphone, o ESM-app, e em indícios pré-estabelecidos da presença potencial possíveis de visualizar na ferramenta.

Os resultados das análises corroboram a hipótese testada, pois a influência da arborização explicou 9% da presença potencial dos serviços de regulação e provisão e 17% dos serviços culturais. Observando a proporção de serviços presentes nas cinco áreas, é distinto o padrão de que as áreas mais arborizadas têm maior presença potencial de itens dos três grupos de serviços ecossistêmicos.

Outro fator analisado foi a influência da estrutura espacial na presença dos serviços ecossistêmicos, ou seja, se a proximidade entre os pontos está relacionada com os resultados obtidos e por isso estaria afetando a relação com da arborização. Para os serviços de regulação, a influência da estrutura espacial foi de fato maior (19%) o que deve-se a muitos itens analisados desse grupo como “Regulação climática”, “Mediação de odores, ruído e impactos visuais” e “Ciclagem de nutrientes” estarem associados às áreas permeáveis, com cobertura vegetal e não sujeita à disposição de lixo, fatores que se encontram próximos nas cidades, como por exemplo nos canteiros largos de avenidas, nas praças, e outras áreas verdes. Outro fator é a utilização de uma mesma espécie de árvore em uma mesma rua, isso fez com que a presença potencial de serviços como “Polinização e dispersão” e “Berçário e habitats de espécies” ficassem mais agregados espacialmente.

Para os grupos de serviços de provisão e culturais, a influência da arborização foi maior como esperado. Para o grupo de provisão, porém ambos valores foram baixos (menos de 10%) o que deve-se alguns dos itens analisados como “Produção” (plantas cultivadas, animais criados e seus produtos) serem pouco presentes nas cidades, devido primeiro à falta de tempo e espaço para cultivar hortas e afins e também devido a pouca utilização de árvores frutíferas nas calçadas. Os serviços culturais tiveram valores mais altos (acima de 10%), muitas árvores urbanas de Rio Claro têm benefícios simbólicos, educacionais e recreativos, porém assim como nos serviços de regulação acontece dos indícios da presença potencial desses serviços estarem agregados. 

Evidenciou-se neste trabalho que áreas mais arborizadas oferecem maiores benefícios e foi concluído então que a arborização urbana tem bastante importância, portanto é fundamental que esta seja alvo do planejamento do espaço público visando sua efetividade, durabilidade e qualidade de vida para a população e para o ecossistema como um todo.
Juliana Alves Rodrigues, Milton Cezar Ribeiro e Renata de Lara Muylaert
Laboratório de Ecologia Espacial e Conservação, UNESP - Rio Claro
Financiamento do projeto: Pró-reitoria de extensão (Proex)
Para mais informações, acesse: leec.eco.br
Contato Juliana A. Rodrigues
Laboratório de Ecologia Espacial e Conservação - UNESP - Rio Claro
jalvrodrigues@gmail.com
(16) 9 9799-9297

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.