Principal suspeito de ataque em Barcelona pode ter sido morto em Cambrils


Principal suspeito de ataque em Barcelona pode ter sido morto em Cambrils
18/08/2017 = G1

Policial durante operação em Cambrils, na Espanha (Foto: REUTERS/Stringer)

Até agora, polícia local prendeu quatro suspeitos de envolvimento com os ataques. De acordo com a imprensa espanhola, outros quatro homens são procurados pelas autoridades.

A polícia catalã informou, nesta sexta-feira (18), que é possível que o homem que conduzia a van que atropelou mais de cem pessoas em Barcelona na quinta-feira (17), tenha sido morto na cidade de Cambrils.

Dois carros atropelaram várias pessoas na Catalunha com poucas horas de intervalo: 14 morreram e mais de 100 ficaram feridas em Barcelona e sete ficaram feridas na cidade costeira de Cambrils, onde a polícia matou cinco supostos terroristas.

"No momento nos concentramos na identificação das cinco pessoas mortas em Cambrils", declarou Forn.

Além da linha de investigação que prevê que o motorista da van está entre os mortos em Cambrils, há a possibilidade que o homem, que ainda não foi identificado, esteja solto.

Diante dessa perspectiva, o presidente do governo catalão, Carles Puigdemont, confirmou que está em curso a busca de um homem foragido.

Uma testemunha o descreveu como "um homem muito jovem, na casa dos 20 anos, de rosto magro". Após atropelar centenas de pessoas na Rambla, um dos principais pontos turísticos de Barcelona, ele teria fugido do local a pé pelas ruelas paralelas à grande avenida Rambla.

Presos e procurados

As forças de segurança espanhola seguem em busca de quatro homens, com idades entre 17 e 24 anos, por suspeitar que eles estejam ligados aos dois atentados realizados na Catalunha. De acordo com documentos internos obtidos pelo "El País", os quatro tem origem marroquina.


Os procurados foram identificados como Moussa Oukabir, Said Aalla, Mohamed Hychami e Younes Abouyaaqoub.


Menos de 24 horas após o ataque as autoridades anunciaram que prenderam quatro suspeitos de envolvimento com o atentado, reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico.


Três marroquinos e um espanhol foram presos, nas cidades de Ripoll e Alcanar. Os detidos tem idades entre 21 e 34 anos, e nenhum deles tinha atencedentes criminais ligados com atividades terroristas.


(Foto: Arte/G1)

Motorista da van
Entre os procurados pela polícia, está Moussa Oukabir, irmão de Driss Oukabir um dos detidos na quinta-feira em Ripoll, município 100 km ao norte de Barcelona.


O ministro do Interior do Governo catalão, Joaquim Forn, explicou em uma entrevista que "há uma relação pessoal entre os dois detidos e que pode haver outras pessoas em Ripoll relacionadas com este grupo".


Segundo a agência Efe, suspeita-se que Moussa foi quem avançou com o veículo contra os pedestres em Barcelona. Menor de idade, o adolescente de 17 anos teria usado os documentos do irmão, Driss, para conseguir alugar a van.


Os investigadores tentam determinar se Driss teve algum tipo de participação ou se sua documentação foi utilizada por seu irmão.


Moussa Oukabir tinha até quinta um perfil aberto no Facebook, que depois foi fechado pela rede social, no qual afirmava que nasceu em Ibiza, vivia em Ripoll (Girona), estudava na Universidade de Barcelona e trabalhava para a Coca-Cola.


Driss Oukabir, apontado pelas autoridades espanholas como responsável do atentado em Barcelona (Foto: Reprodução/Twitter/El Pais)


Fronteiras

Não foram encontradas ligações entre os suspeitos de realizarem o ataque com a França, afirmou o ministro do Interior francês, Gérard Collomb. O país, no entanto, reforçou a segurança na fronteira após os atentados na Catalunha.


"Por enquanto, nós passamos a lista dos envolvidos pela nossa base de dados. Nós não identificamos, por enquanto, que qualquer dos indivíduos pode ter estado na França, mas confirmações adicionais serão necessárias", disse.


A Gendarmaria Nacional francesa indicou hoje no Twitter em espanhol e em francês que, frente ao terrorismo, a cooperação franco-espanhola "é mais forte do que nunca", e acrescentou que lado a lado prosseguirão "com essa luta".

Do G1

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.