DESEMPREGO PODE RECOLOCAR BRASIL NO MAPA DA FOME, DIZ LÍDER DA FAO



DESEMPREGO PODE RECOLOCAR BRASIL NO MAPA DA FOME, DIZ LÍDER DA FAO
BRASIL 247



"Se o Brasil não conseguir retomar o crescimento econômico, gerar empregos de qualidade e ter um programa de segurança alimentar voltado especificamente para as zonas mais deprimidas, nós podemos, infelizmente, voltar a fazer parte do Mapa da Fome da FAO", alerta o brasileiro José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, a FAO

247 - O brasileiro José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, a FAO, diz estar preocupado com a possibilidade de o Brasil voltar a ter a fome como um de seus problemas crônicos e estruturais.

"Se o Brasil não conseguir retomar o crescimento econômico, gerar empregos de qualidade e ter um programa de segurança alimentar voltado especificamente para as zonas mais deprimidas, nós podemos, infelizmente, voltar a fazer parte do Mapa da Fome da FAO", alerta, em entrevista por e-mail ao UOL, da sede mundial da instituição, em Roma (Itália).

O Mapa da Fome é um estudo elaborado desde 1990 pela FAO, principal órgão internacional de incentivo a políticas de combate à fome e à promoção do alimento. O mapa reúne e analisa dados sobre a situação da segurança alimentar da população mundial, fazendo diagnósticos por regiões e países.

O Brasil saiu da "lista negra da fome" em 2014. Pela primeira vez, segundo a FAO, número inferior a 5% dos brasileiros se alimentava com menos calorias diárias que o recomendado. Um país com mais de 5% da população subalimentada entra no mapa. Em 2014, as pessoas com restrição alimentar severa no Brasil representavam 3% da população.

No mundo, de 2015 para 2016, a fome cresceu, pressionada por conflitos armados e crise econômica: são 815 milhões de pessoas vivendo com fome, segundo a instituição.

Na entrevista a seguir, Graziano, que é um dos idealizadores do programa Fome Zero, defende que "é preciso tornar a questão da fome um problema político para poder ser objeto de políticas públicas".
As informações são de reportagem de Guilherme Azevedo no UOL.


BRASIL 247

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.