Prefeito de Santa Cruz, Otacílio Parras, responde a "rompimento" de Capitão Augusto


Prefeito de Santa Cruz, Otacílio Parras, responde a "rompimento" de Capitão Augusto 




Não demorou para que o prefeito de Santa Cruz do Rio Pardo, ao tomar conhecimento do "rompimento" de relações políticas do deputado federal com sua Administração tivesse uma resposta séria e decisiva com o pretenso candidato à reeleição, Capitão Augusto.

O fato foi motivo de matéria anterior e no sábado o prefeito Otacílio foi entrevistado por uma rádio local, cujo repórter obteve apropriadamente uma verdadeira declaração que elucidaram todas as dúvidas da população regional, desde que repercutiu durante todo o dia nas rádios, jornais e sites além das redes sociais, que não perdoaram o discurso do deputado federal.

Leiam a entrevista degravada aqui:

Prefeito de Santa Cruz é entrevistado por rádio local

Repórter: No começo da semana, prefeito, uma visita surpresa do deputado federal Capitão Augusto a cidade de Santa Cruz do Rio Pardo em uma reunião com dois vereadores da Câmara Municipal, e o anúncio, não é? A imprensa, obviamente convidada pra aquela ocasião  que o deputado estaria rompendo com o prefeito Dr. Otacilio.

Repórter: Como é que o prefeito tomou conhecimento desse “rompimento”?
Prefeito: “Olha, foi estranho, né? Muito estranho, né? Aliás, foi mais estranho até do que a vinda do secretário de meio ambiente de helicóptero de outra vez, né? Aquela foi estranhíssima, né?
Sai lá de São Paulo vem em Santa Cruz interditar um aterro, dá um show pra imprensa, pra mídia, né, sem o prefeito saber, né?”

Repórter: Onde está o secretário hoje?
Prefeito: “O secretário hoje? Logo logo vai pra cadeia. Esse secretário de Meio Ambiente que veio aqui lacrar aterro, né, já perdeu o emprego, está sendo processado e no futuro, não muito distante, vai pra cadeia, né, teve de fazer uma cortina de fumaça, né?
Em relação a esse deputado, não pretendo falar o nome dele mais, é, que esteve aqui, foi pior ainda, né, é da região, de passagem por Santa Cruz pra pegar o vôo pra Brasília, né? Bauru, né?
Marca uma reunião com os vereadores, convoca a imprensa, nas palavras dele, para divulgar o “rompimento” com o prefeito de Santa Cruz do Rio Pardo, com o prefeito Otacilio Parras, né, porque eu sou Parras Assis. É uma coisa muito estranha, né? As explicações eram tão plausíveis, né? Não condiz com a realidade, né?
Demonstra que ta muito mal assessorado, inclusive pras pessoas que lá estavam, né, estimulando, né, esse “rompimento”, que com certeza essas pessoas que lá estavam é que levaram as informações pra ele, que o prefeito não divulgava o nome dele, né? O que não condiz com a verdade, né, que o Capitão, acabei de falar, né, então vamos lá, Capitão Augusto, né? Sempre foi divulgada as obras dele em Santa Cruz, certo? O nome aliás mais falado por mim, nesses quatro, nesses três anos de mandato dele...  foi ele.”

Repórter: Aliás, na quinta feira o Sr. falou, o deputado que mais encaminhou recursos pra Santa Cruz...
Prefeito: “Exatamente, né? Agora a minha obrigação como prefeito, né? É nomear as pessoas que trazem recursos pra cidade, agora, a obrigação de fazer campanha, fazer marketing, aí é do Capitão e do deputado, agora, se ele não tem uma equipe de marketing eficiente, uma assessoria eficiente, não é responsabilidade minha, certo?
Então foi uma atitude...  me ligaram até, no momento, que ele estava lá, né? Disse ..bom, ainda bem que é ele que está rompendo e não sou eu, né, se ele está rompendo ele me deixa sem obrigação nenhuma com relação a futura campanha dele, né?
Agora, mostra que ele não tem conhecimento sobre o meu caráter, que eu sou considerado pelos políticos, né, deputados, uma pessoa com fidelidade.
Eu peço recursos pra pouquíssimos deputados, quando vem assessor de deputado ou deputado no gabinete, até do meu partido político, deixo bem claro, deputado, não posso assumir compromisso de campanha porque já tenho com fulano. Eu não sou como certos prefeitos que pedem recursos a todos os deputados que existe na Assembléia, ou na Câmara dos Deputados, e depois não faz campanha pra ninguém, eu peço pra poucos, e faço a campanha pra eles, né? E isso demonstra que a assessoria e nem mesmo ele, não aprendeu a me conhecer e a minha forma de fazer política, né?
Agora, dizer que o prefeito não faz divulgação do nome dele, né? Das obras dele, né? Quem tem que falar e repercutir, fazer o marketing, são os assessores de imprensa... do deputado, do Capitão Augusto.
Eu colocar o pessoal da prefeitura pra fazer essa divulgação ...é criminoso. O pessoal da prefeitura não faz divulgação em nome de nenhum deputado, nada, isso é criminoso. O dinheiro público tem que ser usado no interesse público, e não em campanha política de deputado, ta bem claro isso, né? Agora, a assessoria que ele tem, as dezenas de cargos remunerados que ele tem lá de Brasília, alguns, ou meia dúzia que ficam lá em Ourinhos, esse pessoal que tem que trabalhar a região, né?
Agora, mais estranho ainda, né? É que recentemente, dia 22 de setembro, nós tivemos uma reunião lá em Ourinhos, ele convidou todos os prefeitos da região, que ele mandou recursos, né? Pra fazer lá uma palestra, pro futuro, projetos, financiamento da Caixa Econômica e tal, e depois ele recebeu todos os prefeitos com seus pedidos.
Santa Cruz, das cidades presentes, era a maior, então estava eu, o Wellington, secretário da Agricultura, e secretário da Administração, o Maurício. Vamos ficar por último, pra poder conversar com mais folga, e esperamos lá por umas duas horas, até atender todos, né? Ficamos por último, e apresentamos a ele o pedido que eu ti falei que ia apresentar, né?
Um milhão de reais pra a Saúde, que era o combinado, para a emenda para o próximo ano, que na qual ele concordou de pronto e que possivelmente ele ia mandar mais ainda, né? Fez a colocação pra mim, da expectativa de votos dele pra a próxima eleição... e eu disse: ó, Capitão, é possível, porém, o senhor tem que colocar alguém assessorando o senhor pra fazer essas divulgações, eu dou entrevista quase toda semana, uma rádio, na outra, jornal, e to sempre divulgando o que o senhor faz, só que isso alguém, seu funcionário, tem que repercutir isso em rede social, repercutir na imprensa, mandar releases, isso eu não posso fazer, eu não posso fazer, né, ficou bem claro, inclusive ele combinou comigo: olha, eu vou começar a fazer o ano que vem, agora no final do ano, os jornais de todos os municípios que eu trabalhei, o que eu fiz pra essas cidades.  
Ótimo, né? Vamos começar assim (isso era sexta), terça feira estou em Santa Cruz, pode me receber? Posso! Aí vamos nas obras que eu consegui pra Santa Cruz, tirar fotografias, e tal, tal, tal, o senhor vai junto? Vou! Pra fazer o jornalzinho, junto com toda assessoria dele, na terça feira, e na terça feira ele não apareceu. Liguei depois de duas semanas novamente... o Capitão...   Não, é cedo ainda, pode deixar pra mais tarde...  Capitão, tem que se organizar...    Liguei de novo depois de um mês... Capitão, o senhor tem que se organizar, o senhor não ta organizado, eu fui no rádio e falei tal coisa, não repercute em rede social, o senhor tem que ter uma assessoria pra fazer isso....   até ele trocou o assessor de imprensa dele a semana passada ou retrasada, né? Mas mudou pra um talvez pior, né?   Aí, de repente, por mim está tudo certo, tudo em ordem, né? Convoca essa coletiva, com um novo grupo de apoio, porque ele tem que ter um grupo político, em Santa Cruz, ...pera aí, o deputado Milton Monti nunca foi chefe político em Santa Cruz do Rio Pardo, ele tem votos em dezenas de cidades e está sempre sendo reeleito, está no oitavo mandato, o deputado Walter Ioshie, que também nos ajuda muito, nunca foi chefe político aqui. Deputada Mara Gabrini, que está nos ajudando, nunca foi chefe político aqui.
Agora, ele disse que tem que ter um grupo ...dele, não só pra eleição de deputado, mas também para eleição de prefeito, ele já se considera como reeleito.
Nós considerarmos que os deputados federais que estão aí, pelo menos a metade não vai se reeleger, ele se vê como reeleito e preparando a eleição de prefeito porque ele vai apoiar alguém contra o meu candidato.
Então ele assumiu uma atitude, que deve ter sido muito bem pensada, né? Não posso dizer impensada, de “rompimento” unilateral ...eu estou com a consciência tranqüila, a minha parte eu fiz, se veio dinheiro foi bem investido, foi bem aplicado e esse é o meu compromisso com o povo de Santa Cruz. O dinheiro que receber dos deputados, dinheiro que arrecada dos impostos, ele tem sido investido de forma legal, correta, em benefício do povo de Santa Cruz, agora, se o Capitão vem por preço no voto ...muito infeliz da parte dele, colocar preço no voto, e o voto de Santa Cruz está custando 5.000 reais cada um, meu povo que está me ouvindo   ....o dinheiro não é do Capitão, o dinheiro é seu, do seu imposto, emenda parlamentar não é pra comprar voto, emenda parlamentar é pra auxiliar o povo do nosso Brasil, esse é o correto, e o voto é conseqüência das suas ações.
Você vai pro céu   ....não é porque comprou indulgência papal que existia em 1500, você vai pro céu pelas boas ações que faz aqui, e você tem o voto como político, da política correta, honesta, pelo que você fez de bom  ....e não coloque preço, o voto de Santa Cruz me custou 5.000 reais até agora, o voto de Ourinhos 400 reais   .....povo de Santa Cruz, nós somos importantes mesmo, não é? Vamos fazer o voto dele custar 10.000 na próxima pra ele ter menos votos que teve na passada, e é isso que interessa ...o preço do voto?
Emenda parlamentar é pra exultar obras essenciais que sejam necessárias e não devem ser feitas a troco de voto, em hipótese alguma, se o Capitão está pensando dessa forma, está muito errado, devem votar numa pessoa pelo que ela é, pelo seu comportamento, pelas suas atitudes, pelas suas obras, não é comprando voto com emenda parlamentar, a colocação foi muito infeliz, a colocação foi muito errada, e por sinal, convocando a imprensa, num movimento de rompimento unilateral contra o prefeito de Santa Cruz.
Pra ver, estava até pegando um jornalzinho do próprio Capitão Augusto, que foi do primeiro ano de Administração dele como deputado, e na capa está, deputado Ricardo Madalena e o prefeito Otacílio abraçados ao Capitão, trabalhando juntos, e hoje com quem ele está? Na oposição ao prefeito Otacilio e na oposição ao Ricardo? Até com pretensa candidatura a deputado estadual, contra o Ricardo? Isso não tem pé nem cabeça, mas eu digo uma coisa, ele fala que é de Ourinhos, mas ele é de Salto Grande, e veio pra Santa Cruz com o salto alto, e com salto alto, eleitor não recebe bem as pessoas não”.

Repórter: Olha, aconteceu um encontro pra isso se acertar ouuu?
Prefeito: “Não, isso é coisa definitiva, né? Foi unilateral dele, eu não fiz nada para merecer essa resposta dele, que não apoiei, que não prestigiei, que não divulguei, né... vocês estão de prova e toda Santa Cruz está, o nome que eu mais falei, em detrimento até de Milton Monti, que esse sim é o deputado que ajudou mais Santa Cruz até hoje. Porquê que ele tem bastante voto? Porque sempre ajudou. Milton Monti mandou este ano um milhão para a Saúde, e já na conta da prefeitura. Walter Ioshie também mandou. Mara Gabrini também mandou. São deputados que nós temos que fazer votos...  Arlindo Chinaglia também mandou. José Mentor também mandou. Não é só o Capitão Augusto, e se eu sair em rede social fazendo campanha pra ele, eu estarei sendo desonesto com todos aqueles que ajudam Santa Cruz e pouco pedem, mas o eleitor sabe que está fazendo, não fossem esses outros deputados todos a Saúde de Santa Cruz estaria em frangalhos, todas as emendas foram feitas corretamente e liberadas, enquanto que emendas de um certo deputado, por ter uma assessoria muito ruim, geralmente vêm mal catalogada, tem que se refazer tudo novamente.
Tem boas intenções? Tem. Mas ..... salto alto. Quem anda de salto alto, é perigoso quebrar o tornozelo   ....vamos devagar, Capitão! Vamos devagar!
Vamos trabalhar, vai trabalhar honestamente, vai ajudar o povo e o povo vai reconhecer o que o senhor fizer, não é dizendo que o voto de Santa Cruz custou muito caro, esse dinheiro é do povo do Brasil, é dos impostos que nós pagamos, e as emendas são para reverter exatamente para o povo, não é em pagamento de votos.

Deputado que trabalha achando que fazendo emendas, vai comprar prefeito, vai comprar o voto do povo   ...tá errado ...tome cuidado!”, finalizou o prefeito Otacílio Parras.


Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.