Eunício inclui na pauta do Senado PEC que põe fim ao foro privilegiado

Brasil está atrás de Cuba e Venezuela no ranking de IDH do mundo


Proposta prevê que governo poderá demitir servidor para limitar gastos


Oposição protocola no Senado requerimento para CPI da Previdência


PTB COMEÇA MEGA CAMPANHA DE FILIAÇÃO NO ESTADO


Marionetes?


Resultado de imagem para marionetes


Câmara abre CPI para investigar supostas irregularidades cometidas no pátio da Prefeitura na gestão de Toshio e Belkis


VAGAS DO PAT (POSTO DE ATENDIMENTO AO TRABALHADOR) PARA O DIA 22/03/2017


GIRO UOL 21/03/2017


Cúpula do PR tenta atrair Bolsonaro

Se exterminar a política, vai haver uma aventura, diz Romero Jucá


Venha coroar a nossa Rainha & nosso MISTER FAPI 2017!!!


Repasse do Criança Feliz não paga 1/3 de custos do programa, dizem municípios

Repasse do Criança Feliz não paga 1/3 de custos do programa, dizem municípios

Agência de Notícias PRIMEIRA HORA


Marcela Temer

Lançado em outubro de 2016, o programa Criança Feliz --que tem a primeira-dama Marcela Temer como embaixadora-- tem um "grave subfinanciamento", o que onera os cofres municipais e ameaça o futuro do projeto. A conclusão é de um estudo feito pela CNM (Confederação Nacional dos Municípios), que alerta aos prefeitos que o valor repassado aos municípios que aderem ao programa não chega a bancar nem sequer um terço dos custos com a folha de pagamento.
O Criança Feliz prevê um teto de repasse federal entre R$ 5.000 e R$ 10 mil mensais ao município. Para isso, as cidades foram divididas em três grupos. A estimativa da CNM levou em consideração as remunerações e encargos trabalhistas e sociais dos contratados. 
Segundo a CNM, como a normativa também não prevê cofinanciamento estadual para os municípios, cabe exclusivamente às prefeituras complementarem o valor. 
A entidade ainda critica que há apenas 12 repasses no ano, "o que exclui o custeio do 13º salário das equipes de referência".
"Nota-se que, em todas as estimativas apresentadas, os municípios terão um gasto superior ao repasse feito pelo governo federal, logo os gestores que pactuarem com o programa Criança Feliz terão de aumentar suas equipes de referência, bem como dispor de recursos extras", conclui o estudo.
Além dos custos de pessoal, a CNM afirma que há outros valores necessários para manter o programa. "[O governo] não prevê as despesas operacionais e administrativas complementares necessárias para fazer com que o programa funcione, tais como automóvel, motorista, sala, material de escritório etc. (...) É necessário que se observe o programa em sua totalidade, pois o que faz a gestão de um programa social não é somente a disponibilização da equipe para o atendimento à população, mas as condições de trabalho dessa equipe e principalmente a qualidade do atendimento ofertado ao seu público", diz o levantamento.
Investimento seria de R$ 1 bi; orçamento foi de R$ 328 mi
Quando foi lançada, a ideia do governo era investir R$ 1 bilhão em 2017 e R$ 2 bilhões em 2018. Mas o valor colocado na LOA (Lei Orçamentária Anual) de 2017 foi bem menor: R$ 328 milhões. 
De acordo com o cálculo feito no estudo, caso todos os municípios assinem adesão ao projeto, os gastos totais com o programa ficariam entre R$ 982 milhões a 1,8 bilhão. 
"Em se tratando de orçamento, a diferença entre o aprovado pela LOA 2017, R$ 328 milhões, e o anunciado pelo ministro em entrevistas para o corrente ano, R$ 1 bilhão, é exorbitante, chegando a ultrapassar os R$ 672 milhões, mais que o dobro do valor previsto para as ações do programa", de acordo com o levantamento.
A diferença nos valores apresentados no estudo leva em conta possíveis diferenças salariais dos trabalhadores contratados para o programa. Na primeira hipótese, o salário de visitadores seria R$ 937; e dos supervisores, R$ 1.300. Na segunda hipótese, levou-se em conta a sugestão de remuneração apresentada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome: de R$ 1.600 para os visitadores e R$ 3.000 para os supervisores.
Apesar das críticas à forma como é financiado, a CNM diz que o programa é uma "proposta positiva" e reconhece o "mérito dos programas sociais que visam minimizar os riscos sociais e fortalecer as comunidades mais carentes".
Governo incrementará valor mensal por indivíduo, diz ministério
Em resposta ao UOL, o MDSA (Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário) informou que "desconhece as estimativas realizadas pela CNM", mas adianta que o valor previsto pela LOA pode crescer por meio de crédito adicional. 
A pasta afirma que "o governo federal vai incrementar o valor mensal por indivíduo acompanhado de R$ 50 para R$ 65", o que deve aumentar o repasse aos municípios.
"Para garantir uma atuação mais efetiva da Assistência Social no Programa, o MDSA reajustará o valor repassado aos municípios para o atendimento à população em vulnerabilidade pelo Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (Paif) nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras). O aumento médio está sendo de 45%, o que possibilitará estruturar e ampliar a rede de atenção às famílias", informou.
O programa Criança Feliz é coordenado pelo MDSA em parceria com os ministérios dos Direitos Humanos, Educação, Saúde e Cultura. A ideia principal é que técnicos façam visitas domiciliares para mostrar aos pais a maneira correta de estimular o desenvolvimento dos filhos nos primeiros mil dias de vida --quando o cérebro se estrutura e a maior parte das competências fundamentais para o ser humano se desenvolvem.
São prioridades gestantes e crianças de 0 a 3 anos de idade beneficiárias do programa Bolsa Família, crianças de até 6 anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada e as afastadas do convívio familiar por medida protetiva.
O lançamento do programa marcou o primeiro discurso oficial de Marcela no governo. Em fevereiro, ela reuniu primeiras-damas estaduais em Brasília "para pedir empenho nas adesões dos municípios".
Até hoje, o programa teve a adesão de todos os Estados e do Distrito Federal e de 2.547 municípios (de 3.279 elegíveis).
Em São Paulo, contudo, o programa foi inicialmente barrado. O Comas (Conselho Municipal de Assistência Social), responsável por avalizar a entrada do município no projeto para a primeira infância, não autorizou a adesão por considerar "haver ausência de informações em relação às questões técnicas, operacionais, metodológicas e conceituais" do projeto federal. Quatro dias depois, o programa foi lançado.

"FICO FELIZ POR COLABORAR COM CAUSAS SOCIAIS", DIZ MARCELA TEMER

Presidente do TSE critica modelo de eleição de deputados e cita Tiririca – “Não queremos este sistema que aí está”


Meio Ambiente suspende poda de árvores por 30 dias


GIRO UOL 21/03/2017