Após lista, vice da Câmara defende que Temer retire reforma da Previdência


15 políticos que foram às manifestações anticorrupção e estão na Lista de Fachin


Doria diz que lista de Fachin desgasta 'classe política'


O QUE É ISSO, MINISTRO??


Comércio funcionará até às 17h na véspera da Páscoa


INSCRIÇÕES ABERTAS PARA A 70ª EDIÇÃO DOS JOGOS DO SESI EM OURINHOS E REGIÃO


Empresários e colaboradores já podem garantir convite para palestra gratuita sobre atendimento com excelência ao cliente


As 13 razões do Bullying


Máquina que mede e elabora 'mapa da dor' é criada em SC

Relator lê parecer da reforma trabalhista; veja principais pontos

Ameaça? - Sem citar lista de Fachin, Temer diz que o governo 'jamais' pode se paralisar



Polícia Federal deflagra operação contra distribuição de material com abuso sexual de menores pela internet







Polícia Federal deflagra operação contra distribuição de material com abuso sexual de menores pela internet

Investigação que deu origem à operação começou na sede da Polícia Federal de Sorocaba (Foto: Reprodução/TV TEM)
Investigação que deu origem à operação começou na sede da Polícia Federal de Sorocaba (Foto: Reprodução/TV TEM)

Batizada de "Acervo Proibido", operação cumpre mandados em 10 estados e no Distrito Federal.

A Polícia Federal de Sorocaba (SP) deflagrou na manhã desta quarta-feira (12) a operação Acervo Proibido, que busca identificar suspeitos de produzir e distribuir na internet arquivos com abuso sexual de crianças e adolescentes. A operação é realizada em 10 estados e no Distrito Federal.

As investigações começaram em abril de 2015, quando a PF identificou a distribuição, pela internet, de vídeos e fotos contendo abuso sexual de crianças, a partir das atividades de um suspeito que mora em Sorocaba.

No Brasil, foram identificados 20 locais como possíveis fontes de compartilhamento desse material ilícito na internet. A pedido da PF, a Justiça Federal autorizou a realização de buscas domiciliar nesses endereços, bem como decretou a prisão preventiva de quatro pessoas.

Além disso, foram identificados dezenas de estrangeiros que participam dessa rede internacional de distribuição de arquivos contendo exploração sexual de crianças. Com o auxílio da Interpol, foram encaminhadas informações para Alemanha, Emirados Árabes, Equador, Espanha, Estados Unidos, Holanda, México, Nicarágua e Peru.

Os investigados vão responder pela prática dos crimes previstos nos artigos 217-A do Código Penal (pena de reclusão de 8 a 15 anos), 240 (pena de reclusão de 4 a 8 anos e multa), 241-A (pena de reclusão de 3 a 6 anos e multa) e 241-B (pena de reclusão de 1 a 4 anos e multa) do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Família identifica 5 códigos diferentes em escritos de jovem desaparecido no Acre


Alguns dos citados na lista de Fachin se dizem surpresos


Após inquéritos, políticos reforçam discurso de lista fechada para 2018


Busca por centro de prevenção ao suicídio cresce 445%


Trabalho de mulheres militares no Brasíl é cercado de sigilo


Radar da Previdência percorrerá a Esplanada hoje para mostrar o voto dos parlamentares na Reforma na Previdência


Entidades de defesa do consumidor reagem contra cobrança diferenciada para compras “em dinheiro”


Lava Jato: Fachin autoriza abertura de inquéritos contra nove ministros de Temer