Contran aprova carteira de habilitação digital


PF diz que pais e homem de 80 anos estão entre os presos suspeitos de cometer pedofilia


REEDUCANDOS DO CR DE OURINHOS RECEBEM TRATAMENTO VOLUNTÁRIO COM PODÓLOGAS


Prefeito Lucas Pocay busca apoio para projetos da educação com o Presidente do FDE


Prefeitura inicia projeto para obtenção do selo Município de Interesse Turístico


Prefeito Lucas Pocay se reúne com diretor do Ministério para buscar implantação do projeto Cidade Digital


Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul


Bailarinos da Escola Municipal de Bailado premiados no Festival de Indaiatuba são recebidos na prefeitura


Toninho Ferragutti elogia a vocação cultural de Ourinhos na abertura do 17º Festival de Música


VAGAS DO PAT OURINHOS 26/07/2017


Brecha na Lei da Ficha Limpa pode beneficiar Lula em 2018


É MITO OU VERDADE? Cachaça: conheça 11 mitos e verdades sobre essa bebida super brasileira


Injeção mensal contra HIV pode substituir tratamento diário, diz estudo


Receita alerta para "golpe do amor" em que vítimas são extorquidas pela internet


Muitos queriam fim do governo Dilma e não da corrupção, diz procurador


Secretaria interdita empresas por venda de óleo como azeite na Grande SP e no litoral


BOMBA !!! Tudo volta atrás?? Juiz determina suspensão do aumento de impostos nos combustíveis

BOMBA !!! Tudo volta atrás?!?!

Juiz determina suspensão do aumento de impostos nos combustíveis

25/07/2017  Revista VEJA
Aumento da gasolina e outros combustíveis

Advocacia-Geral da União informou que irá recorrer assim que for notificada; nos postos, preço deve demorar a cair, mesmo se decisão for mantida

O juiz federal substituto da 20ª Vara Federal de Brasília, Renato Borelli, derrubou nesta terça-feira o decreto do presidente Michel Temer (PMDB) que aumenta os impostos PIS e Cofins cobrados sobre combustíveis. O magistrado acolheu uma ação popular ajuizada pelo advogado Carlos Alexandre Klomfahs e determinou a revogação imediata do aumento tributário sob a alegação de que o decreto presidencial infringe a Constituição.

A determinação só poderá entrar em vigor quando o governo for notificado, o que ainda não aconteceu. A Advocacia-Geral da União (AGU) informou que recorrerá tão logo seja informada oficialmente.

Mesmo se o reajuste cair em definitivo, o consumidor deverá demorar para sentir o alívio nos preços, pois os postos já compraram combustíveis com o incremento da alíquota.

Na decisão judicial, Borelli afirma que o governo não respeitou os noventa dias, previstos constitucionalmente, entre o anúncio e a aplicação do reajuste do imposto. Além disso, o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda discute se é possível aumentar PIS e Cofins por decreto, sem que haja aprovação do Poder Legislativo.

“Resta clara a lesividade do ato, consubstanciada na premissa básica de que o estado não pode legislar abusivamente, ainda mais quando se está diante da supressão de garantias fundamentais”, diz o juiz.

Tathiane Piscitelli , professora do Departamento de Direito da FGV, afirma que a suspensão do aumento está “absolutamente correta”. “PIS e Cofins são contribuições para seguridade social e há noventa dias para a majoração dessas contribuições. Também é verdade que a Constituição possibilita aumento de alguns tributos via decreto, mas Pis e Cofins não estão nesse hall”.

O tributarista Antonio Esteves Jr., do escritório Parisi Esteves, tem a mesma análise. “O PIS/Cofins, pela Constituição, tem a trava de 90 dias. O governo colocou os pés pelas mãos”, afirma.

Aumento

Com o reajuste do PIS/Cofins, a alíquota sobre o litro de gasolina havia quase dobrado, de R$ 0,38 para R$ 0,79 por litro. Havia a expectativa de que o litro da gasolina subiria até R$ 0,41, mas os postos aplicaram aumentos superiores.

Com relação ao diesel, a alíquota foi de R$ 0,248 para R$ 0,4615 centavos o litro nas refinarias, que podem repassar o valor integral ao consumidor. No etanol, o PIS/Cofins para as distribuidoras, que estava zerado, passou para R$ 0,1964 centavos por litro.

O objetivo do decreto presidencial era gerar uma arrecadação extra de 10,4 bilhões de reais neste ano para cobrir o rombo nas contas públicas. A medida foi adotada para cumprir a meta definida para 2017 de déficit primário de 139 bilhões de reais. Nos cinco primeiros meses do ano, o rombo acumulado já estava em 34,984 bilhões.

Revista VEJA