Adolescente de 13 anos é vítima de estupro coletivo no Alto de Ondina-Brotas



Adolescente de 13 anos é vítima de estupro coletivo no Alto de Ondina-Brotas

CORREIO
Família acusa três amigos da vítima - garotos de 12, 14 e 15 anos
As cenas de uma adolescente de 13 anos desacordada na porta de casa jamais sairão da cabeça da mãe dela. “O que fizeram com a minha filha foi uma monstruosidade. Ela está em estado de choque e eu há dois dias sem comer e dormir só de imaginar as atrocidades que eles fizeram”, disse uma garçonete, 28 anos, sentada em frente à Delegacia do Adolescente Infrator (DAI), na manhã desta quinta-feira (25).
A mãe acusa três meninos – um garoto de 12 e outros de 14 e 15 anos – de terem dopado e estuprado a filha dela na última segunda-feira (22), no Alto de Ondina, em Salvador. No dia, era aniversário de um dos envolvidos no estupro coletivo – o rapaz de 15 anos. 
O estupro coletivo aconteceu na Rua Ladeira do Jardim, em frente à entrada do zoológico, no Alto de Ondina. Segundo a mãe da adolescente, a filha estava na porta de casa quando o garoto de 12 anos a chamou para sair, por volta das 19h. “Ele disse que era aniversário do rapaz de 15 e que iam para a praça comemorar e, como ela era amiga dos três, foi”, contou a mãe, após ter prestado depoimento na DAI, em Brotas, na manhã desta quinta.
Adolescente foi estuprada na praça no Alto de Ondina por adolescentes
(Foto: Bruno Wendel/CORREIO)
A mãe relatou que a filha estava na Praça do Alto de Ondina, onde sempre costuma ficar. “Ela me disse que não usou nenhuma droga e que provavelmente colocaram algo na bebida dela”, disse a mãe. A uma tia, a adolescente disse que ingeriu vodka. A mãe contou que horas depois, uma vizinha que caminhava na praça encontrou a adolescente desmaiada e já vestida, rodeada de dois dos três rapazes.
“Ela contou com a ajuda de outras pessoas para levar minha filha em casa. Minha menina é alta. Quem olha pra ela, não diz que ela tem 13 anos e sim 18 anos”, disse a mãe da jovem.
Em casa, a adolescente balbuciava o nome de um dos envolvidos no estupro coletivo. “Ela repetia o nome do rapaz de 15 anos. Foi quando revistamos ela e percebemos que, apesar de vestida, estava sem as roupas íntimas. Daí, perguntamos quem tinha feito aquilo e ela novamente repetia o nome do rapaz de 15. Foi assim que descobrimos os envolvidos”, contou a mãe. 
Overdose
A adolescente ficou sob os cuidados da família por cerca de meia hora. Nesse período, uma prima, que é profissional da área de saúde, foi à casa e sugeriu que a adolescente fosse encaminhada às pressas para uma emergência médica.
"Ela estava com os dentes travando e vomitava muito. A prima disse que eram sinais claros de princípio de overdose e que tinha que ser levada às pressas para emergência", relatou uma tia.
A adolescente chegou ao Hospital Geral do Estado (HGE) por volta das 23h. No registro de entrada na unidade médica consta que a menina chegou com intoxicação exógena (conjunto de sinais e sintomas causados pela exposição a substâncias químicas nocivas ao organismo, como remédios em doses excessivas, picadas de animais venenosos, metais pesados, ou exposição a inseticidas e agrotóxicos). 
Ainda no documento, há o relato da mãe, que aponta que a filha foi drogada e estuprada pelos três amigos. Uma médica encaminhou a adolescente para a realização de exames no Instituto Médico Legal (IML) e o fato foi comunicado à delegada titular da DAI, Ana Virgínia Paim. 
A adolescente foi encaminhada do HGE para o Hospital da Mulher Maria Luiza Costa dos Santos, em Roma. Ela deu entrada às 12h48 de quarta-feira (24) e teve alta às 15h30 do mesmo dia. No documento consta que a menina foi vítima de abuso sexual. 
Prontuário médico obtido pelo CORREIO mostra informações sobre atendimento a vítima (Foto: Bruno Wendel/CORREIO)
A delegada à frente do caso, Ana Virgínia Paim, disse que não poderia comentar o caso. “Temos que ter muita cautela em casos como esse, em que todos os envolvidos são adolescentes. Ainda não ouvi a vítima e nem os outros garotos. As períciais também não chegaram. Estão sendo produzidas pelo IML. Por isso não posso falar sobre o caso em questão”, declarou a delegada.  
Apesar de não querer falar, a delegada disse o que acontece normalmente em situações como essa. “Depois de ouvir todas as partes, e os laudos prontos, tudo é encaminhado ao Ministério Público Estadual, que adotará as medidas cabíveis”, disse Ana Virgínia. 
Revolta
Na porta da delegacia, parentes da adolescente estavam revoltados. “O rapaz que fazia aniversário no dia já queria namorar minha filha, mas ela não queria. No réveillon deste ano, ele e os outros dois seguiram ela, mas um tio viu e a chamou logo para dentro. Quando foi no dia que ela foi estuprada, o de 15 disse que queria ela como presente de aniversário e, por isso, mandou o menino de 12 ir lá na porta chamar ela”, contou a mãe, que emendou: “Ele teve a coragem de ligar para um rapaz maior, de 18, e disse: ‘venha cá, venha. Tem uma menina aqui pra gente comer’. Esse outro rapaz só não foi porque disse que no dia seguinte ia trabalhar”, contou a avó.
"Minha neta não quer sequer chegar à janela de medo e vergonha. Jamais poderíamos esperar isso deles. Andavam todos juntos, foram criados todos juntos, ela e eles ficavam na praça comendo pizza e bebendo refrigerante", lamentou a avó da vítima, ao mesmo tempo em que amparava a mãe da menina.
"Não é porque ela andava com eles que tinham o direito de fazer o que fizeram. Queremos que se faça justiça", concluiu a avó da adolescente.
CORREIO

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.