Estágio aos 40: profissionais mais velhos voltam a ser estagiários para recomeçar no mercado de trabalho



Estágio aos 40: profissionais mais velhos voltam a ser estagiários para recomeçar no mercado de trabalho
Por Marta Cavallini, G1
Fabíola Sereda de Almeida descobriu após os 40 anos que sua verdadeira vocação é dar aula; antes disso ela fez carreira no setor farmacêutico (Foto: Fábio Tito/G1)

Para mudar de carreira, profissionais mais velhos apostam no estágio como porta de entrada; G1 conta histórias de quem recomeçou após os 40 anos.

Fabíola Sereda de Almeida está recomeçando sua carreira aos 47 anos, depois de ser demitida após anos de trabalho na indústria farmacêutica. Ela aproveitou o período desempregada para repensar seu futuro profissional e retomar um sonho antigo de trabalhar como pedagoga. Fabíola fez magistério quando adolescente e agora está cursando pedagogia. Na esperança de conseguir seu primeiro emprego, ela voltou a ser estagiária 30 anos depois.

Mesmo se sujeitando a ganhar menos que um salário mínimo de bolsa-auxílio, que nem se compara, segundo ela, à remuneração do antigo emprego, Fabíola diz que quem faz estágio mais velho precisa pensar a longo prazo, pois é uma chance de ser efetivado na empresa ou de acrescentar experiência ao currículo.

Assim como Fabíola, o perfil dos estagiários mais velhos é basicamente de pessoas que já têm uma profissão, mas sem formação superior, e que decidem fazer a graduação e tentar uma nova carreira, explica Luiz Gustavo Coppola, superintendente nacional de atendimento do Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee).

Segundo ele, também é comum que mulheres acima de 40 anos que interromperam a carreira para cuidar dos filhos ou não tiveram tempo nem renda para estudar antes busquem uma graduação tardia e ingressem em programas de estágio na expectativa de conseguir depois um emprego na nova área.

“O perfil do estagiário acima de 40 anos é de quem quer uma segunda carreira. Ou descobre que tem um dom, mas por força da necessidade fez outro curso. É uma oportunidade que a pessoa se dá pra fazer uma nova faculdade”, diz. "O perfil não é de quem estava parado e voltou para o mercado na mesma ocupação."

No caso de Fabíola, a crise foi o empurrãozinho para que ela buscasse a tão sonhada realização profissional, adiada porque a carreira acabou tomando outra direção.

“A vida dá voltas. Tive que ficar desempregada para descobrir que minha vida é o magistério. Eu nasci para isso, é o que eu quero de agora em diante”, diz.

Estágio 30 anos depois
Fabíola conta que fez estágio no magistério, quando tinha 17 anos, mas é difícil comparar a experiência anterior com a atual. “O olhar que eu tenho agora é com muito mais maturidade, com mais objetivo, sabendo que é aquilo mesmo que eu quero”, afirma.

A estudante de pedagogia é a mais velha entre os estagiários da escola e, por isso, sua postura é diferente dos demais. “É um pouco desgastante porque os mais jovens não sabem bem o que querem e levam mais na brincadeira. Quando se é mais velha leva-se as coisas com mais seriedade, mas de um modo geral é interessante porque um aprende com o outro”, explica.

Seu trabalho é auxiliar as professoras, distribuindo as atividades e acompanhando o trabalho dos alunos. Para ela, sua experiência ajuda muito para lidar com as crianças a partir de 5 anos de idade. “É preciso paciência, saber lidar, ser muito ponderada”.

A futura pedagoga considera a bolsa-auxílio que recebe mensalmente muito baixa por trabalhar como auxiliar de classe. "Poderiam rever isso, mas encaro como uma fase para adquirir experiência", afirma.

Fabíola se forma em julho e tem o desejo de ser efetivada na escola. “A educação é minha paixão, era uma coisa que eu deveria ter feito aos meus 19 anos. Às vezes a gente tem que dar uma volta para depois voltar ao princípio. Mas tudo que eu aprendi antes só soma hoje”, conclui.



Fabíola fez magistério e pretende seguir nova carreira na área de educação; ela termina o curso de pedagogia em julho (Foto: Fábio Tito/G1)

Volta ao mercado após 4 anos


Laurinda Mendes em seu estágio numa faculdade em São Paulo; mesmo aos 55 anos, ela diz que tem muito a aprender (Foto: Marcelo Brandt/G1)

Para Laurinda Mendes da Costa Hora, de 55 anos, o primeiro estágio significa o retorno ao mercado de trabalho após uma pausa de quase 4 anos. Formada em administração de empresas há 27 anos, ela foi demitida em 2013, depois de trabalhar por 23 anos na área corporativa de uma grande varejista. Naquele ano, ela se aposentou.

Aproveitou a calmaria para cuidar de sua vida pessoal e dos filhos. Mas a necessidade de voltar a estudar e se atualizar falou mais alto e ingressou no curso técnico em administração no ano passado. Alguns meses depois, começou a fazer estágio em uma faculdade de São Paulo. Ambos terminam em julho.

Segundo ela, a graduação lhe deu a visão do todo, mas o curso técnico traz um nível de detalhamento maior de cada segmento, como recursos humanos, logística, finanças e contabilidade.

Laurinda conta que no começo ficou receosa de ser a estagiária mais velha, mas a acolhida foi ótima. “Me sinto como uma mãe, dou conselho, é uma troca de carinho”, diz.

No processo seletivo ela teve de concorrer com jovens de 17 e 20 anos. E “tirou a ferrugem” depois de anos sem fazer uma entrevista de emprego. “Meu currículo foi elogiado pela experiência e graduação. No dia seguinte me ligaram para começar na mesma semana”, diz.

Seu trabalho atual é no departamento de finanças, atendendo alunos presencialmente e por telefone, cuidando das matrículas e dos pagamentos. “Está sendo muito bom para o meu currículo. Mesmo aos 55 anos a gente tem muito o que aprender. Estou com muita disposição para trabalhar”, diz.

Laurinda reconhece que ser remunerada com bolsa-auxílio - pouco menos que um salário mínimo, que atualmente é de R$ 954 - na sua idade é um desafio e, no seu caso, só é possível porque ela tem uma aposentadoria. Seu benefício é cerca de 3,5 salários mínimos (ao redor de R$ 3,3 mil). Em comparação com o antigo emprego, pelos seus cálculos, o valor da bolsa-auxílio é cinco vezes menor.

“Acho pouco, só consigo encarar esse valor porque tenho minha aposentadoria. Mas vejo o estágio como oportunidade e aprendizado, que servirá para a minha volta ao mercado de trabalho, na área financeira, em um departamento que para mim é novidade”, diz.

Segundo ela, a faculdade acenou com a possibilidade de efetivá-la, pois estão precisando de funcionários. Laurinda pretende ainda fazer pós-graduação em contabilidade ou finanças.


Laurinda Mendes trabalha no departamento de finanças atendendo estudantes, fazendo matrículas e recebendo pagamentos (Foto: Marcelo Brandt/G1)
Vagas e perfil

Em janeiro, o Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) contabilizava 6,2 mil estagiários com idades acima de 40 anos, 3,5% do total de 179 mil. Segundo levantamento feito pela recrutadora de estagiários, essa proporção tem se mantido desde 2013 – veja na tabela abaixo:

Número de estagiários e proporção da faixa etária acima dos 40 entre o total, pela ordem...

Ano 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 (até jan)
Total de estagiários 343.097 370.378 379.471 366.367 351.786 373.041 178.613
Estagiários acima de 40 anos 8.878 11.277 12.662 13.536 12.430 13.088 6.225
Proporção 2,58% 3,04% 3,33% 3,69% 3,53% 3,50% 3,48%

Fonte: Ciee

Já no Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube), o número de vagas para essa faixa etária tem se mantido perto de 200 ao ano desde 2012 – veja na tabela abaixo:

Número de estagiários acima dos 40 anos no Nube
2010    2011    2012    2013    2014    2015    2016    2017
42        152      202      222      118      170      195      170
Fonte: Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube)

No Ciee, os cursos mais procurados pelos estagiários com mais de 40 anos são pedagogia, direito, psicologia e enfermagem. No Nube são pedagogia, administração e direito.

Segundo o superintendente do Ciee, a instituição identifica o candidato que seja mais próximo do perfil da vaga, e isso independe da idade. “Em alguns casos, os mais velhos levam vantagem por serem mais experientes nas situações de trabalho e acabam se tornando mentores dos mais novos”, afirma Coppola.

Ele aponta que a rotatividade nos estágios é menor entre os mais velhos. “O estagiário de mais idade está mais decidido com o que quer, ele vai em busca do que o realiza. Normalmente ficam até o final do contrato até serem efetivados. Já o jovem ainda está experimentando, se percebe que não é o que quer, ele vai buscar uma outra oportunidade.

Para Yolanda Brandão, gerente de treinamento do Nube, os estagiários mais velhos buscam a faculdade que não puderam fazer para ter a carreira que os realize ou fazem a segunda graduação para ter outras opções de inserção no mercado.

Segundo ela, esses profissionais preferem cursos tradicionais e valorizados, como pedagogia e direito, ou que tenham um leque grande de empregabilidade, como administração.

Menos chances que os jovens

Yolanda reconhece que os estagiários acima dos 40 anos têm um pouco mais de dificuldade de conseguir um estágio do que aquele que tem 20. Porém, ela afirma que esse preconceito está diminuindo porque as empresas estão percebendo que as equipes heterogêneas trazem melhores resultados.

“Os estagiários mais velhos têm experiência, maturidade, comprometimento, bagagem, experiência de vida, além de estrutura emocional para uma negociação difícil”, aponta.

Dicas para quem busca estágio

Para quem tem mais de 40 e vai se candidatar a estágio, Yolanda dá algumas dicas.

“As empresas vão questionar por que vocês estão fazendo aquela escolha, as suas pretensões, os seus projetos futuros. Isso vale tanto para quem está na primeira faculdade quanto para quem está fazendo uma nova graduação para mudar de área”, afirma.

Segundo ela, o profissional que vai buscar a oportunidade tem que ter clareza do que o estágio significa para o seu projeto de carreira. Yolanda salienta que o estagiário tem contrato com tempo determinado, ganha menos que um funcionário e não há certeza de efetivação.

“Pode ser que ele não tenha essa noção. Uma transição de carreira é muito complicada, então tem que estar com isso resolvido quando for falar com o entrevistador”, aconselha.

do G1

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.