PTB desiste de indicar Cristiane Brasil para o Ministério do Trabalho



PTB desiste de indicar Cristiane Brasil para o Ministério do Trabalho
Por iG São Paulo | 20/02/2018
Cristiane Brasil foi nomeada por Temer no início do mês passado, mas posse foi barrada pela Justiça Federal
João Ricardo/PTB - 29.11.17
Cristiane Brasil foi nomeada por Temer no início do mês passado, mas posse foi barrada pela Justiça Federal


Decisão foi anunciada pelo presidente do partido, Roberto Jefferson, que reclamou de "caça às bruxas" e de "indecisão" da presidente do Supremo

A deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) não será mais ministra do Trabalho. O ponto final na novela acerca da nomeação da parlamentar foi anunciado na tarde desta terça-feira (20) pelo presidente nacional do PTB e pai de Cristiane, Roberto Jefferson.

Jefferson reclamou de "caça às bruxas" e justificou a desistência do partido em indicar Cristiane Brasil para o cargo alegando "indecisão" da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, a respeito de autorizar ou não a posse da deputada no cargo.

"Diante da indecisão da ministra Cármen Lúcia em não julgar o mérito neste 1º semestre, o PTB declina da indicação de Cristiane para o Ministério do Trabalho. A decisão do partido visa proteger a integridade de Cristiane e não deixar parada a administração do ministério. Agradecemos ao presidente Michel Temer e aos companheiros do partido pelo apoio e respeito com Cristiane durante esse período de caça às bruxas", anunciou Roberto Jefferson.

Fim de uma novela 


A deputada do PTB foi nomeada no início de janeiro pelo presidente Michel Temer para assumir o posto de ministra do Trabalho, que está vago desde o fim do ano passado. Mas a posse de Cristiane no cargo foi vetada por decisão de um juiz federal de Niterói (RJ), que julgou "atentar contra o princípio da moralidade administrativa" o fato de uma pessoa condenada por descumprir a legislação trabalhista , tal como Cristiane, assumir a chefia do Ministério do Trabalho. 

Cristiane acumula duas condenações por não ter assinado as carteiras de trabalho de motoristas que trabalhavam para ela e para sua família, tendo sido obrigada a pagar indenização de R$ 60 mil a um deles e R$ 14 mil a outro. A deputada chegou a divulgar um vídeo para defender sua nomeação, mas a gravação feita em um barco com a parlamentar rodeada de homens descamisados  surtiu efeito negativo.

Após recursos do governo serem negados na segunda instância, a decisão chegou a ser revertida no fim do mês passado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas Cármen Lúcia mais uma vez barrou a nomeação às vésperas da cerimônia de posse. A ministra do Supremo decidiu encaminhar o assunto para decisão do plenário da Corte, mas ainda não havia agendado a data para o julgamento.

A insistência do presidente Michel Temer na nomeação de Cristiane Brasil se deveu à dependência do governo em relação ao apoio do partido presidido por Roberto Jefferson para aprovar a proposta de reforma da Previdência na Câmara. O projeto hoje se encontra travado por conta do decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro, o que impede a tramitação de propostas de emendas constitucionais.

Fonte: Último Segundo - iG 

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.