Armas, uma verdadeira religião para parte da população dos EUA



Armas, uma verdadeira religião para parte da população dos EUA

ISTO É
Armas, uma verdadeira religião para parte da população dos EUA

Os fiéis da igreja do Santuário, em Newfoundland, na Pensilvânia, em 28 de fevereiro de 2018 - AFP

Dezenas de pessoas reunidas em uma igreja recebem a bênção armadas com seus fuzis: a imagem é curiosa, mas ilustra a brecha que existe nos Estados Unidos entre os defensores do direito ao porte de armas e os partidários de um controle mais rígido.

A cena ocorre em uma igreja de Newfoundland, um povoado da região rural da Pensilvânia, no leste do país, onde 68% das pessoas votaram a favor de Trump em 2016.
É a Igreja do Santuário, uma filial da Igreja da Unificação, mais conhecida como a seita Moon, dirigida por Hyung Jin Moon, o filho mais novo do reverendo Moon, que faleceu em 2012.
A igreja organizou na quarta-feira uma cerimônia de casamento coletivo, ou renovação dos votos, como as que agradavam o reverendo Moon pai. Mas a novidade é que seu filho estimulou os cerca de 500 participantes a mostrarem sua vontade de defender a família e sua religião levando consigo uma arma semiautomática tipo AR-15, com o carregador vazio e travada para evitar qualquer incidente.
Segundo o Southern Poverty Law Center, que estuda os grupos extremistas, Hyung Jin Moon, homofóbico e próximo à direita rígida, prega uma religião que une armas e orações: chega à celebração acompanhado de três homens armados vestidos com trajes camuflados e regularmente realiza transmissões no YouTube, acompanhadas por cerca de 2.000 inscritos, com um fuzil de assalto AR-15 colocado a sua frente.
No sábado, organizou um jantar de “agradecimento ao presidente Trump” e os fundos foram doados a uma associação americana de proprietários de armas, a Gun Owners Foundation.
Mas estas não chegam perto das multidões que Moon reunia em seu auge, nos anos 1970. Aos domingos, a igreja do Santuário reúne cerca de 200 participantes, além de um número indeterminado de fiéis que acompanham as cerimônias pela Internet do Japão e da Coreia do Sul, diz um de seus responsáveis, Tim Elder.
– Igreja ou milícia –
A cerimônia, prevista há algum tempo, aconteceu no dia em que os estudantes da escola de Parkland, na Flórida, retornaram às aulas após o massacre executado em 14 de fevereiro, quando um ex-aluno de 19 anos matou três professores e 14 alunos com um AR-15.
A celebração, totalmente legal, poderia ter passado despercebida. Mas por conta do debate aberto pela tragédia, uma escola vizinha decidiu fechar durante o dia. Uma dezena de pessoas se manifestava em frente à igreja, segurando cartazes que diziam “Adorem Deus, não as armas”, ou “Deus não abençoa as armas”. Vários canais de televisão cobriam o evento.
Embora esta congregação não seja central, muitos de seus fiéis, como outros americanos, acham que os massacres não justificam a adoção de leis mais estritas para a compra e o porte de armas.
“Infelizmente, na maior parte do mundo, as pessoas parecem pensar que os únicos que devem ter uma arma são os que nos governam”, considera Andrew Kessler, um advogado que chegou com o seu AR-15 comprado há alguns meses.
“Não acredito que esteja provado que se há menos armas, há menos violência”, afirma.
Caçador há algum tempo, foi nesta igreja, que defende as armas como símbolo da “soberania” de seus fiéis, que Kessler disse ter se tornado “mais favorável” ao seu porte.
John Paul Harris, de 68 anos e oriundo da cidade vizinha de Scranton, usa um boné de beisebol da Associação Nacional do Rifle (NRA), o poderoso lobby das armas nos Estados Unidos, da qual é um “orgulhoso membro vitalício”.
“Espero não ter que usá-las nunca contra outro ser humano”, afirma. “Mas em todos os lugares deste país onde as leis sobre armas são mais estritas, a criminalidade está em seu nível máximo”, assegura.
Com seu culto às armas, a igreja do Santuário tem, às vezes, ares de milícia armada.
“Acreditamos em uma polícia da paz, uma milícia da paz”, confirma um de seus voluntários, Kyle Toffey. Mas “precisamos nos focar em Deus quando estamos armados”, afirma.
AFP/ISTO É


Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.