ATAQUE IMINENTE À SÍRIA - Trump anuncia ação militar na Síria em resposta a suposto ataque químico



ATAQUE IMINENTE À SÍRIA

Trump anuncia ação militar na Síria em resposta a suposto ataque químico

CORREIO
Resultado de imagem para TRUMP
Investida contra incidente em Duma ocorre em conjunto com França e Reino Unido
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na noite desta sexta-feira (13) que um ataque está em andamento na Síria, em resposta a um suposto ataque químico no último dia 7. Segundo o líder norte-americano, a ação é realizada em conjunto com a França e o Reino Unido.
"Ordenei as forças armadas dos EUA a lançar ataques precisos em alvos associados com estabelecimentos de armas químicas do ditador sírio Bashar al-Assad", disse Trump em pronunciamento oficial na Casa Branca.
Segundo ele, o uso do material na cidade de Duma foi uma escalada significativa e comparou Assad a "um monstro" e líder de “um regime terrível”.
"O mal e o ataque desprezível deixaram mães e pais, bebês e crianças se debatendo de dor e ofegando por ar. Essas não são as ações de um homem (Assad). Elas são crimes de um monstro", comentou Trump.
De acordo com o presidente dos EUA, a resposta combinada com as duas potências europeias “responde a essas atrocidades” e integrará todos os instrumentos do poder do seu país, seja da parte militar, econômico ou diplomática.
De acordo com a Agência Reuters, testemunhas afirmam que grandes explosões foram ouvidas em Damasco, capital síria, e colunas de fumaça foram vistas na região durante o pronunciamento de Trump. Até as 22h30 ainda não era possível confirmar se isso indicava um bombardeio na cidade. 
"Esta noite, peço a todos os americanos que façam uma prece por nossos nobres guerreiros e nossos aliados enquanto eles cumprem suas missões. Rezamos para que Deus leve conforto aqueles que estão sofrendo na Síria”, comentou Trump em sua fala em Washington.
O líder americano vinha ameaçando há dias uma resposta ao ataque químico em Duma. Já no domingo (8), pelo Twitter, afirmou que Rússia e Irã eram responsáveis por apoiar Assad e que haveria um “grande preço” a pagar pelo incidente.
CORREIO

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.