Delator afirma que Pezão recebia mesada de R$ 150 mil, 13º e bônus de propina



Delator afirma que Pezão recebia mesada de R$ 150 mil, 13º e bônus de propina
Por G1 Rio
Carlos Miranda teve a delação homologada (Foto: Reprodução/TV Globo)
Carlos Miranda teve a delação homologada (Foto: Reprodução/TV Globo)

O trecho da delação de Carlos Miranda, homologada pelo ministro Dias Toffoli, do STF, foi revelado pelo jornal O Globo. Governador diz "repudiar mentiras".

Carlos Miranda, apontado pelo MPF como o operador do esquema de corrupção ligado ao ex-governador Sérgio Cabral, declarou que uma mesada de R$ 150 mil era paga ao governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB). O trecho da delação, homologada pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, foi revelado pelo jornal O Globo.


O dinheiro vinha de empreiteiras e fornecedoras que tinham contrato com o governo do estado, afirmou o delator. Miranda acrescentou ainda que, de 2007 a 2014, Pezão, na época vice-governador, também ganhou um 13º salário, além de dois bônus, de R$ 1 milhão cada.


O delator disse também que o governador recebeu uma propina extra de R$ 300 mil. O valor teria sido usado para pagar os serviços de uma empreiteira na casa de Pezão no município de Piraí, no Vale do Paraíba. Entre os serviços estavam a instalação de painéis de energia solar. A propina seria entregue no Palácio Guanabara.


O ministro Toffoli já encaminhou o depoimento ao Superior Tribunal de Justiça, que é o tribunal com a atribuição de julgar o governador.

Outro lado


Em nota, o governador disse que "repudia com veemência essas mentiras". Pezão negou as acusações, que chamou de absurdas. "As afirmações são tão absurdas e sem propósito que sequer há placas solares instaladas em sua casa em Piraí. Ele reafirma que jamais recebeu recursos ilícitos e já teve sua vida amplamente investigada pela Polícia Federal."


Pezão nega acusações (Foto: Reprodução/TV Globo)

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.