MPF pede nova prisão de Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa



MPF pede nova prisão de Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa
Walace Lara, TV Globo, São Paulo
Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa e apontado como operador do PSDB, em foto de 2010 (Foto: Robson Fernandes/Estadão Conteúdo)
Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa e apontado como operador do PSDB, em foto de 2010 (Foto: Robson Fernandes/Estadão Conteúdo)

Apontado como operador do PSDB não compareceu a audiência nesta segunda-feira em SP. Defesa diz que presença não era obrigatória.

O Ministério Público Federal de São Paulo pediu nesta segunda-feira (14) nova prisão do ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, apontado como operador do PSDB.


Souza foi solto na sexta-feira (11) após ter habeas corpus concedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes.


Paulo Vieira de Souza é acusado de desvio de dinheiro público durante sucessivos governos do PSDB, em São Paulo, e também é investigado por movimentar cerca de R$ 113 milhões em contas na Suíça. No início de abril, foi preso preventivamente, depois que procuradores afirmaram que uma ex-funcionária da Dersa - que também é ré no mesmo processo - recebeu ameaças de morte.


Ele não compareceu a uma audência na 5ª Vara Criminal da Justiça Federal de São Paulo marcada para esta segunda-feira.


Durante a audiência, a procuradora da República Adriana Scordamaglia afirmou que o ex-diretor da Dersa "demonstrou total desrespeito à Justiça de 1ª Instância e a todos os demais corréus que compareceram ao ato".

Ela alegou que o habeas corpus do STF não o dispensa de comparecer aos demais atos do processo.


A defesa de Paulo Vieira de Souza afirmou que ele "não compareceu por conta da decisão do STF que determinou que este ilustre juízo não iniciasse a instrução processual antes da apreciação das respostas à acusação".

G1



Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.