Prédio de 24 andares desaba em incêndio no Centro de SP



Prédio de 24 andares desaba em incêndio no Centro de SP

Edifício no Largo do Paissandu era ocupado irregularmente por cerca de 90 famílias. Bombeiros fazem buscas por desaparecidos.

RESUMO

  • Chamas começaram por volta da 1h30 no 5º andar
  • Prédio de 24 andares abrigava ocupação irregular
  • Prefeitura de São Paulo diz que 92 famílias estavam no local
  • Homem caiu junto com o prédio em tentativa de resgate
  • Bombeiros combatem focos de incêndio e buscam desaparecidos

ACOMPANHE

Moradores disseram que uma briga de casal que cozinhava com álcool ou um estouro de panela de pressão pode ter dado início ao incêndio.

"Quando a gente estava lá se divertindo, a gente só ouviu os dois discutindo. Nessa , os dois estavam cozinhando no álcool, álcool de posto, né? Foi nessa hora que pegou fogo em tudo", afirmou Gabriel Arcangelo.



Prédio em chamas no Centro de São Paulo (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Os Bombeiros e os peritos do Instituto de Criminalística ainda analisam o que pode der causado a tragédia.

“A única certeza até agora que temos é a de houve um incêndio e só análises aprofundadas dirão o que causou”, disse o capitão Marcos Palumbo, porta voz dos bombeiros.

A Cruz Vermelha de São Paulo está recebendo doações de todos os tipos – em especial, água, alimentos não perecíveis, roupas, sapatos e itens de higiene pessoal – para auxiliar as vítimas do incêndio e desabamento.

As pessoas que quiserem ajudar, devem levar as doações para a sede da Cruz Vermelha, localizada na Avenida Moreira Guimarães, 699, próximo ao aeroporto de Congonhas, onde serão triadas e destinadas às famílias atingidas.



Ex-moradores do prédio que desabou recebem doações enquanto aguardam na rua (Foto G1:)
O homem que era resgatado quando o prédio desabou chegou a deixar o imóvel, mas voltou para ajudar no resgate dos moradores de andares mais altos, que estavam com dificuldade para deixar o local.
Ele se chamava Ricardo, tinha cerca de 30 anos. As imagens mostraram que Ricardo estava muito próximo de ser ajudado por um bombeiro antes de o prédio ruir completamente. 
Muitos moradores conseguiram deixar o prédio com alguns pertences e foram para uma praça próxima ao local do incêndio.
“Minha vida estava lá dentro, não deu pra tirar documento, nada. Eu simplesmente vi minha vida desmoronando”, disse Francisca da Silva.
“Perdi TV, bicicleta, roupa, perdi muitas coisas de objeto. Mas graças a Deus não perdia vida dos meus filhos, que pra mim é o mais importante", contou o gari José Antonio da Silva.

Ex-moradores do prédio que desabou foram para praça no Largo do Paissandu (Foto: Marcelo Brandt/G1)
Moradores do prédio que desabou no Largo do Paissandu disseram ao SP1 que pagavam um aluguel de até R$ 400 para morar no edifício ocupado.

O dinheiro era usado para pagar as despesas do prédio que tinha até porteiro e carteirinha de identificação de moradores.


Moradores de prédio ocupado tinham carteirinha com controle de pagamento (Foto: TV Globo/Reprodução)
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Cães farejadores apontaram para o lugar de uma possível vítima nos escombros, de acordo com o Corpo de Bombeiros. Eles trabalham para resfriar o local e retirar manualmente os destroços.

Cão observa escombros de prédio que desabou (Foto: GloboNews/Reprodução)


Edifício Wilton Paes de Almeida tinha 24 andares e já abrigou a sede do INSS e da Polícia Federal (Foto: Marcelo Brandt/G1)
Os bombeiros estimam que o trabalho para retirada dos escombros do local deve levar cerca de uma semana.
Vizinha do prédio que desabou, igreja de 1908 foi atingida pelos escombros e ficou parcialmente destruída.

"Praticamente sobrou o altar e a torre da igreja. Uma parte da história de São Paulo se foi", disse o pastor Frederico Carlos.


Igreja de 1908 ficou parcialmente destruída com desabamento de prédio (Foto: Kleber Tomaz/G1)

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.