Bolsonaro celebrou esquadrões da morte por 'substituir' pena de morte

Bolsonaro celebrou esquadrões da morte por 'substituir' pena de morte

NOTÍCIAS AO MINUTO BRASIL
RANIER BRAGON, NOTÍCIAS AO MINUTO
EM 2003

Bolsonaro celebrou esquadrões da morte por 'substituir' pena de morte
Episódio ocorreu em 2003

O deputado federal Jair Bolsonaro (RJ), pré-candidato à Presidência pelo PSL, usou os microfones da Câmara em 2003 para parabenizar e defender a ação de grupos de extermínio no país.

Capitão reformado do Exército e defensor do regime militar, Bolsonaro disse na ocasião que, como o Brasil não tem pena de morte, esses grupos são úteis e teriam seu apoio.
A sua fala era uma resposta a um deputado que horas antes havia afirmado que o governo da Bahia, na época, assumira pela primeira vez a existência de esquadrões da morte na região.
"Enquanto o Estado não tiver coragem de adotar a pena de morte, esses grupos de extermínio, no meu entender, são muito bem vindos. E se não tiver espaço na Bahia, pode ir para o Rio de Janeiro. Se depender de mim, terão todo o apoio, porque no Rio de Janeiro só as pessoas inocentes são dizimadas. Na Bahia, as informações que tenho - lógico que são grupos ilegais, mas meus parabéns - [são a de que] a marginalidade tem decrescido."
Um mês depois da fala de Bolsonaro, um crime atribuído aos esquadrões da morte da Bahia ganhou repercussão internacional.
Em setembro de 2003, o mecânico Gérson Jesus Bispo foi assassinado dias depois de prestar depoimento à relatora da ONU (Organização das Nações Unidas) para execuções sumárias, Asma Jahangir. Ele acusava PMs de torturar e assassinar seu irmão e um amigo.
Ainda em 2003, a Câmara dos Deputados instalou uma CPI para apurar a ação de grupos de extermínio no Nordeste. Em seu relatório, dois anos depois, a comissão apresentou um perfil desses grupos.
Segundo o documento, os esquadrões da morte surgiram "com o pretexto de combater o crime e 'limpar' a sociedade de pessoas consideradas 'indesejáveis'", atuando no extermínio tanto de adultos como de crianças e adolescentes. "As vítimas adultas costumam estar ou não ligadas ao mundo do crime. Também agem sob o ódio de base étnica, cultural, racial, sexual e violência rural."
Segundo a CPI, os grupos são constituídos em sua maioria por policiais, ex-policiais, seguranças privados, integrantes de organizações criminosas vinculadas ao tráfico de drogas e outras atividades lícitas e "grupos que não guardam relações específicas com o crime organizado, mas exercem o controle de determinadas regiões com a desculpa de garantir a 'segurança' de seus moradores".
Especificamente sobre a Bahia, a comissão afirmou que os esquadrões da morte agiam em várias regiões do Estado, em um "caminho que começa na segurança ilegal privada e termina nas execuções sumárias, inicialmente daqueles que cometem pequenos furtos nas áreas que se pretendem protegidas, depois, de forma indiscriminada, de todos aqueles que, por alguma razão, se interpõem no caminho dos integrantes e dos patrocinadores dos grupos de extermínio".
Entre os casos relatados, havia a da juíza da Vara Criminal de Juazeiro, segundo quem uma única pesquisa no cartório de registro civil da cidade, em junho de 2001, mostrava 198 óbitos de jovens por morte violenta com características similares: "Um grupo de motoqueiros, sempre com um carona, nos finais de semana, com as vítimas sendo pobres, normalmente pretas e jovens, algumas com passagens pela polícia".
A reportagem perguntou à assessoria de Bolsonaro se ele mantém a posição de 15 anos atrás, quando ele já estava no seu quarto mandato na Câmara, e se queria se manifestar. Não houve resposta.
O presidenciável, que lidera as pesquisas nos cenários sem Lula, é deputado desde os anos 90. Ele se envolveu em várias polêmicas por defender posições extremadas ou mesmo ilegais, como um novo golpe militar no país. Com informações da Folhapress.
NOTÍCIAS AO MINUTO BRASIL

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.