MPF diz que cartel de multinacionais desviou R$ 1,2 bilhão da saúde do Rio

MPF diz que cartel de multinacionais desviou R$ 1,2 bilhão da saúde do Rio
Por Gabriel Barreira, G1 Rio
Resultado de imagem para MPF diz que cartel de multinacionais desviou R$ 1,2 bilhão da saúde do Rio
A força-tareja da Lava Jato fez nesta quarta-feira (4) uma operação contra um esquema de corrupção envolvendo multinacionais na secretaria de Saúde e no Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into), no Rio de Janeiro.

Vinte pessoas foram presas e duas são consideradas foragidas pelo MPF. Entre os presos estão os ex-diretores da Philips no Brasil e pela segunda vez, o dono da empresa Oscar Iskin, o empresário Miguel Iskin e o sócio dele o empresário Gustavo Estelita, ex-gerente comercial da Oscar Iskin e sócio de Miguel em outras empresas.

A Oscar Iskin é uma das maiores fornecedoras de próteses do Rio de Janeiro e fornecia material para o Instituto de Traumatologia e Ortopedia.


Miguel Iskin, alvo da Operação Fatura Exposta (Foto: Reprodução/TV Senado)


Os agentes da PF saíram cedo para as ruas do Rio e de São Paulo para cumprir 22 mandados de prisão além de busca e apreensão em mais de 40 endereços. As autoridades descobriram que os desvios continuaram mesmo depois da prisão de parte da quadrilha no ano passado.


A Operação Ressonância é um desdobramento da Operação Fatura Exposta que no ano passado revelou um esquema que funcionava dentro da secretaria de Saúde do RJ.


Segundo as investigações, o ex- governador Sérgio Cabral e o então secretário, Sérgio Cortes, comandaram o desvio de R$ 300 milhões em contratos fraudados com a participação de empresários que forneciam próteses para o Into. O desvio total do esquema investigado pela operação pode passar de R$ 600 milhões.


Miguel Skin, Gustavo Estelita e Sérgio Côrtes foram presos na época e depois soltos com o cumprimento de medidas restritivas por decisão do ministro Gilmar Mendes.



Comissão de 40%, diz MPF


A Philips diz estar colaborando com as autoridades. Daurio Speranzini, que exerceu o cargo de CEO da multinacional e estava em posição semelhante na GE, e Frederik Knudsen, supervisor de vendas da Philips, são suspeitos de integrar esquema de corrupção na Saúde do RJ chamado de "clube do pregão internacional".



Preso na Operação Ressonância cobre o rosto ao chegar ao IML Central de São Paulo (Foto: Abraão Cruz/TV Globo)


De acordo com a investigação, os executivos das empresas que faziam parte do "clube" pagavam até 40% do valor dos produtos ao empresário Miguel Iskin em forma de comissão.


Nesta quarta, a 7ª Vara Federal Criminal também decretou o bloqueio de bens dos investigados no valor de R$ 1,2 bilhão.


"Como dito naquela ocasião (da primeira operação), aquilo era apenas a ponta do iceberg nas fraudes da Saúde", diz a procuradora Marisa Varotto Ferrari.


"A partir da análise de procedimentos licitatórios, foram feitas auditorias detalhadas, e encontramos robustas provas dos crimes", continua Marisa.


O Ministério Público Federal diz que o cartel "congregava fabricantes multinacionais de equipamentos médicos que ajustavam as vitórias nos procedimentos licitatórios em troca de pagamento de comissões exorbitantes a Miguel Iskin no exterior, por intermédio de offshores".


São investigadas 37 empresas e os crimes de formação de cartel, corrupção, fraude em licitações, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Segundo a PF, havia interesse de multinacionais em manter a direção do Into, em volta do qual criou-se o cartel para direcionar os vencedores e os valores a serem pagos nos contratos de fornecimento do Instituto.




Operação Ressonância (Foto: Claudia Peixoto/Arte G1)


Resumo


São 12 presos preventivamente e 8 temporários no RJ e em SP; 2 estão foragidos
Foram 43 mandados de busca e apreensão
Cerca de 180 policiais federais foram mobilizados nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraíba, Minas Gerais e no Distrito Federal
Soltos por Gilmar Mendes, os empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita foram presos novamente esta manhã
Sérgio Côrtes, secretário de Saúde de Sérgio Cabral preso com Iskin e Estellita, foi intimado a depor, mas não estava em casa quando a PF chegou
Os conglomerados atraíram empresas fornecedoras e formaram cartel para direcionar as compras de equipamentos médicos. Para tal, agiam para manter a direção no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into)
O esquema duraria até hoje e não foi interrompido nem com a prisão de Iskin, Estellita e Côrtes



Sérgio Côrtes acompanhava filha em cirurgia


Sérgio Côrtes foi um dos intimados a depor na ação desta quarta, mas não foi encontrado em casa pelos agentes. Os advogados informaram que ele acompanhava a filha em uma operação.


Documentos fornecidos pela defesa mostram que o ex-secretário chegou ao estacionamento de um hospital de Copacabana às 6h em ponto. No prontuário médico, a filha passaria por uma mamoplastia, cirurgia plástica nos seios.


Côrtes foi solto em fevereiro por determinação do ministro do STF, Gilmar Mendes. O ministro Gilmar Mendes entendeu que o caso do ex-secretário é semelhante aos dos empresários Miguel Iskin e Gustavo Estelita, também presos na Lava Jato, e soltos também pela decisão do ministro.


"Ainda estamos avaliando se houve descumprimento das medidas cautelares (por parte de Sérgio Côrtes). Informações preliminares que temos é de que se ausentou devido a uma cirurgia (na família). Não sabemos se isso deveria ou poderia ser justificado antecipadamente. Seria prematuro dizer se rompeu ou não as medidas cautelares. Não sabemos se era uma medida de emergência ou eletiva", diz o procurador da República Felipe Bogado.


O que dizem os citados


A defesa de Miguel Iskin considerou a ação "uma repetição da operação anterior, na qual a prisão preventiva do empresário foi afastada pelo Supremo Tribunal Federal".
O Into disse que vai colaborar com as investigações e não comentou a prisão do atual diretor, André Loyelo.
A Philips informou que ainda não teve acesso ao processo, mas que coopera com as autoridades, para prestar esclarecimentos referentes a fatos antigos, já que os atuais executivos da empresa não fazem parte da ação da Polícia Federal e que qualquer possível violação das leis é tratada seriamente pela empresa.
A GE confirmou a prisão temporária de Daurio Speranzini Jr., como parte de uma investigação em curso pela Polícia Federal. "As alegações referem-se a um período em que o executivo trabalhou para uma companhia sem relação com a GE. A empresa reforça que está profundamente comprometida com integridade, conformidade e o estado de direito em todos os países em que opera, assim acredita que os fatos serão esclarecidos ao longo da investigação", disse a nota.
Para a defesa de Sérgio Cabral, a operação não tem relação com o ex-governador já que os fatos seriam anteriores a gestão dele e em órgãos federais.





Investigados (Foto: Claudia Peixoto/Arte G1)

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.