Voluntários constroem casas para famílias em situação de risco: 'Parece uma mansão'

Voluntários constroem casas para famílias em situação de risco: 'Parece uma mansão'
Por Júlia Martins* , G1 Bauru e Marília

Moradora de Bauru ganhou uma nova casa por meio do projeto que conta com o trabalho de voluntários (Foto: Júlia Martins / G1 )
Moradora de Bauru ganhou uma nova casa por meio do projeto que conta com o trabalho de voluntários (Foto: Júlia Martins / G1 )

O Projeto TETO já beneficiou 18 famílias que moram no bairro Ferradura Mirim, em Bauru (SP). Uma delas, foi a de Marilza de Paula que, com a nova casa, encontrou um novo motivo para viver.


"Nossa, parece uma mansão.” Essas foram as primeiras palavras de Marilza de Fátima Inácio de Paula ao receber sua casa nova, feita pelos voluntários do Projeto TETO.


O projeto, que conta com a ajuda de voluntários, consiste em construir moradias para pessoas em situação de emergência. Em Bauru já são 18 famílias beneficiadas.


“A gente ajuda as famílias a construírem suas próprias casas”, conta um dos gestores do projeto, Christian Menin. Uma dessas famílias, a partir de agora, é a de Marilza. Ela vive no bairro Ferradura Mirim, na zona leste da cidade, com o neto Brian. E, recentemente, recebeu a visita dos voluntários do TETO.

“Falaram para mim que teria que preencher o formulário e que aí eles iriam me dar uma casinha”, lembra.

O formulário, segundo Guilherme Sperândio, responsável pela equipe de voluntários de Bauru serve para coletar informações sobre os moradores.


“Nesse documento, o morador responde algumas perguntas, como nome completo, RG, CPF, condição financeira e etc. Aí, depois disso, nós fazemos um ranking, para ver quais são as famílias que precisam mais”, explica Guilherme.


Depois de preencher o formulário, dona Marilza recebeu a notícia de que teria sido uma das escolhidas. “Me falaram que iam me dar uma casinha!”, conta. No entanto, havia um próximo passo que precisava ser feito antes que começar a construir: demolir a casa onde Marilza morava.


“Aí chegou o dia que estava marcado no papelzinho. Era hora de desmanchar meu barraco, né. Mas aí, depois que eu desmanchei, fiquei pensando: ‘já pensou se eles não vierem?!” [risos]’, relembra.


Uma das etapas da construção é a demolição do antigo barraco, pois a nova casa é construída no mesmo local (Foto: Júlia Martins / G1 )


Mas, eles vieram. Todos voluntários, estudantes, jovens de todos os cantos da cidade e até de fora dela. Era hora de começar a construir.


Os voluntários


Christian Menin, que trabalha na gestão do projeto na cidade de São Paulo, conta que, quando chegou em Bauru, se encantou com o quão engajados estavam os voluntários.


“Cheguei aqui e eles já estavam com a mão na massa. E é isso que importa. É a vontade de fazer, a solidariedade, a energia e estar aberto para uma experiência diferente. É querer construir junto com as famílias”, afirma.


Para participar do TETO não é necessário ter experiência com construção, como explica Guilherme. Ele gerencia a equipe e conta que cada um dos voluntários vem de um lugar diferente e alguns deles chegaram ao projeto sem nenhuma experiência.

Casas são construídas com a ajuda de voluntários (Bauru)  (Foto: Julia Martins / G1 )Casas são construídas com a ajuda de voluntários (Bauru)  (Foto: Julia Martins / G1 )
Casas são construídas com a ajuda de voluntários (Bauru) (Foto: Julia Martins / G1 )


“Tem gente aqui que não sabia martelar um prego, sabe? Mas tem espaço pra todo mundo. Basta querer ajudar”, diz.


Mas, martelar um prego já não era problema para a engenheira civil, Mariana Elias. Ela participa do projeto desde que estava na faculdade. Segundo ela, é uma oportunidade para conhecer outras realidades.
“O que mais me marcou foi poder entrar em uma realidade muito diferente, que, infelizmente, é muito segregada. Eu não sabia o que era morar num lugar sem água, sem luz, e sem estrutura”, conta a engenheira.

Todo o trabalho é feito por voluntários do projeto TETO (Foto: Julia Martins / G1 )

Nova casa, nova vida

E foi com a ajuda da Mariana, do Guilherme, do Tomás, do João, do Gabriel, da Luana e de muitos outros, que Marilza conseguiu realizar um sonho: o de ter uma casa para morar.

“Isso aqui perto do que eu tinha antes é uma mansão. Eu não sei nem como agradecer. Deus agiu por meio desses meninos todos. Eles foram uma bênção na minha vida”, conta emocionada.

E, para ela, o Projeto TETO é mais do que um “trabalho de construir casas”. Para a dona Marilza, o TETO lhe deu um novo motivo para viver.


“Deus me deu forças para erguer a cabeça e continuar. Eu consegui a minha casa e eu ganhei uma nova família, que são esses jovens tão lindos. Então, agora, é só ir pra frente, né?”.



Voluntários comemoram a entrega das casas no bairro em Bauru (Foto: Julia Martins / G1 )

* Colaborou sob a supervisão de Mariana Bonora.
G1

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.