Supremo Tribunal indiano permite abater ‘tigresa devoradora de homens’



Supremo Tribunal indiano permite abater ‘tigresa devoradora de homens’
12/09/2018


Matar tigres na Índia só é permitido com a aprovação das autoridades

Acredita-se que a tigresa, conhecida como T1, seja responsável pela morte de 13 pessoas desde janeiro de 2016 no distrito de Yavatmal, na Índia. Três foram mortos apenas em agosto.
Após os casos, a Suprema Corte do país concedeu permissão a guardas florestais para matar o animal em extinção no estado de Maharashtra.
A população de tigres da Índia é estritamente protegida. Qualquer tentativa de matar um dos animais requer a aprovação das autoridades sob a Lei de Proteção à Vida Selvagem do país.
Conservacionistas, no entanto, questionaram as evidências que ligam o animal a ataques a humanos, forçando o caso à Suprema Corte.
De acordo com a CNN, na decisão de terça-feira, o tribunal aliou-se às autoridades locais para permitir que os guardas florestais atirassem no tigre se não conseguissem capturá-lo.
A conservacionista Sarita Subramaniam questionou se as autoridades farão uma tentativa justa de tranquilizar e capturar a tigresa, que também é mãe de dois filhotes, e levá-los ao cativeiro.
“Eles (os oficiais da floresta) só planejam matar, o que sugerimos ao tribunal, porque eles emitiram uma ordem para contratar um caçador”, disse Subramaniam, que é o fundador da organização não governamental Mumbai Earth Brigade.

População de tigres

No início do século XX, quase 40.000 tigres vagavam livremente no que era então a Índia Britânica. De acordo com o último censo realizado em 2014 pela National Tiger Conservation Authority, existem agora apenas 2.226 tigres em estado selvagem.
“O esgotamento das terras florestais através do pastoreio de gado é o maior problema. Os tigres não estão invadindo os habitats humanos. São seres humanos que estão continuamente chegando”, disse Ajay Dubey, conservacionista da vida selvagem, à CNN.
Apesar de evidências – incluindo fotografias – apresentadas por autoridades florestais em Yavatmal ligando a tigresa a ataques a humanos, os ativistas dizem que há inconsistências na investigação.
“Qualquer animal pode ser declarado um ‘comedor de homem’. Esta rotulagem é uma ressaca colonial”, disse Subramaniam.
A conservacionista disse que os investigadores precisam realizar uma análise completa do DNA para identificar as espécies envolvidas no ataque.
TERRA

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.