Veja oito respostas enfáticas à declaração de Mourão sobre mães e avós

Veja oito respostas enfáticas à declaração de Mourão sobre mães e avós

CORREIO BRAZILIENSE  18/09/2018
(foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)

Rachel Sheherazade, Marcelo Rubens Paiva e Katia Abreu estão entre os que rebateram o vice de Bolsonaro, que definiu famílias comandadas por mulheres como 'fábricas de desajustados'.


A repercussão foi quase imediata. Personalidades e diversos outros internautas que cresceram em famílias comandadas por mulheres se mostraram indignados e responderam Mourão nas redes sociais. RUma das postagens mais comentadas foi a de Rachel Sheherazade, jornalista e apresentadora do SBT, estimada por parte dos eleitores de direita. “Sou mulher. Crio dois filhos sozinha. Fui criada por minha mãe e minha avó. Não. Não somos criminosas. Somos HEROÍNAS! #elenão”, escreveu. 

Mourão se pronunciou sobre o assunto novamente nesta terça-feira, afirmando que não pretendia criticar as mulheres, mas fazer apenas uma constatação. As críticas ao militar, porém, já dominavam a internet.
 
O jornalista e escritor Marcelo Rubens Paiva, por exemplo, repudiou o general e relembrou que a ausência do pai, Rubens Paiva, foi fruto da ditadura militar. “Mourão afirma nas entrelinhas que mulher não sabe criar filhos. Fui criado pela minha mãe e irmãs, pq a ditadura matou meu pai aos 11 anos, e meu avô morreu de tristeza dois anos depois. Por isso que sou um desajustado”, atestou. 

Candidata a vice-presidência na chapa de Ciro Gomes (PDT), Kátia Abreu (PDT) também fez críticas duras à declaração. “De onde saiu esse homem? Meu Deus do céu! Criei 3 filhos sozinha como milhares de mulheres do Brasil. Não consigo acreditar. Eu e meus 2 irmãos fomos criados pela minha mãe e minha avó”, publicou. 

Veja respostas de internautas a Mourão: 










Na semana passada, outras declarações consideradas polêmicas foram feitas por Mourão. O general afirmou que o país precisaria de uma nova Constituição, mais enxuta e baseada em “princípios e Valores imutáveis”. Disse, ainda, que o processo ideal não precisaria necessariamente passar por uma Assembléia Constituinte; o texto deveria ser redigido por uma comissão de notáveis e aprovado em plebiscito, para aprovação popular - o que não se enquadra, hoje, nas previsões da legais.

CORREIO BRAZILIENSE

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.