Derrotados nas urnas, 25 parlamentares envolvidos na Lava Jato perderão foro privilegiado

Vitória do povo...
Derrotados nas urnas, 25 parlamentares envolvidos na Lava Jato perderão foro privilegiado
Irineu Machado, gerente-geral de Notícias     UOL
Romero Jucá, Edison Lobão e Eunício Oliveira perderam foro

Caciques políticos e líderes partidários como o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), os senadores Edison Lobão (MDB-MA), Garibaldi Alves Filho (MDB-RN) e Romero Jucá (MDB-RR), integram uma lista de 25 nomes (14 deputados federais e 11 senadores) que são investigados na Operação Lava Jato, concorriam a algum mandato, mas foram derrotados nas urnas no último domingo. Com isso, eles perderão o foro privilegiado e as ações e processos em curso contra eles no Supremo Tribunal Federal serão encaminhados para a primeira instância da Justiça.
 

O clima esquenta entre eleitores, e o país registra tristes atos de violência por causa de posições políticas, muitos deles cometidos por pessoas que evocam o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL). O presidenciável disse lamentar os atos de violência, mas afirmou que não tem controle sobre seus seguidores. "Eu lamento. Peço ao pessoal que não pratique isso, mas eu não tenho controle sobre milhões e milhões de pessoas que me apoiam", afirmou.
 

Em São Paulo, no show de abertura da turnê "Us + Them", o espetáculo mais politizado do rock, o músico Roger Waters, ex-líder e fundador da banda Pink Floyd, exibiu no telão a hashtag #EleNão, usada em campanha contra Bolsonaro, e mostrou uma lista de políticos do mundo de hoje considerados neofacistas incluindo o nome de Bolsonaro. Fãs do músico que apoiam o presidenciável reagiram com xingamentos e vaias durante cerca de cinco minutos. Roger Waters discursou contra o fascismo. "Sou contra o ressurgimento do fascismo. E acredito nos direitos humanos. Prefiro estar num lugar em que o líder não acredita que a ditadura é uma coisa boa. Lembro das ditaduras da América do Sul e foi feio", declarou.
 

No mercado financeiro, as ações disparam com a aposta em privatizações com uma eventual vitória de Bolsonaro nas eleições.

UOL


Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.