Galpão invadido pega fogo e 3 crianças morrem na zona leste de SP

Sindicato Rural de Ourinhos adere à paralisação dos caminhoneiros


Corra e garanta o seu camarote para curtir os shows da FAPI 2018


VAGAS DO PAT OURINHOS PARA O DIA 28/05/2018

Prorrogada a inscrição do Vestibulinho das Etecs


Polícia Federal passa a investigar caminhoneiros por crimes durante mobilização


Nos bastidores, militares demonstram preocupação com estoque de combustível para atuar contra grevistas


Governo paulista garante que PM vai atuar para desobstruir vias


Líder dos caminhoneiros desafia governo: 'Vai correr sangue'


Incêndio atinge centro de internação para menores em Goiânia e deixa pelo menos 9 mortos, dizem bombeiros


Caminhoneiros afirmam que só liberam as estradas quando Temer cair


TRATORES SE DIRIGEM ÀS RODOVIAS e... Temer entra com ação no STF para desbloquear rodovias do país

VAI CORRER SANGUE, PRESIDENTE TEMER?


“Não vamos encerrar o movimento tão cedo”, diz presidente da Abcam


TEMER: “ACIONEI AS FORÇAS FEDERAIS DE SEGURANÇA”


Temer quer usar Forças Armadas para acabar com greve de caminhoneiros


Governo vai usar Forças Armadas para desobstruir estradas


Caminhoneiros criticam sindicatos e dizem que continuarão parados


Caminhoneiros criticam sindicatos e dizem que continuarão parados

BRASIL AO MINUTO
Notícias ao Minuto Brasil
POR FOLHAPRESS
BRASIL PROTESTO

Caminhoneiros criticam sindicatos e dizem que continuarão parados

'Os supostos sindicatos que estão negociando não representam os caminhoneiros que estão na rua', disse um profissional

Caminhoneiros autônomos parados nas rodovias disseram, após a divulgação do acordo do governo e oito entidades da categoria, que não acabarão com a greve.

"Os supostos sindicatos que estão negociando não representam os caminhoneiros que estão na rua", disse o motorista Aguinaldo José de Oliveira, 40, que trabalha com transportes há 22 anos e para quem o movimento não tem um líder.

"São uns aproveitadores que não falaram com a gente antes da greve e chegaram agora, quando já estava tudo parado", afirma o caminhoneiro que está parado na av. Anhaguera, Campinas. "Estou em mais de 30 grupos de WhatsApp e em nenhum aceitaram esse acordo."
Segundo ele, os caminhoneiros pretendem manter a paralisação porque o acordo não atinge as suas principais reivindicações. "São 14 itens que a gente nem conhece. O principal é a redução do diesel, mas não essa esmola temporária de 15 centavos."
Outro caminhoneiro de 48 anos, parado em Campina Grande, na Paraíba e que preferiu não se identificar, concordou que o acordo não representa os trabalhadores autônomos.
"Nenhum caminhoneiro vai aceitar esse acordo. O Brasil vende diesel para a Bolívia a R$ 1,80 e a gasolina a R$ 2,50. Por que não pode vender aqui também?", questionou.
E reclamou de outros pontos que não apareceram no acordo. "Por que só caminhoneiros têm que usar tacógrafo e fazer exames toxicológicos?". Para ele, ou todos os motoristas deveriam ser obrigados a cumprir tais exigências ou que nenhum fosse.
"Pagamos R$ 400 para um exame toxicológico, IPVA, diesel caro e ainda temos que pagar pedágio", disse. "Não está faltando nem comida, nem bebida para gente, vamos continuar nas estradas", afirmou o caminhoneiro. Com informações da Folhapress. 
BRASIL EM MINUTO