Concurso ADAF 2018 abre inscrições com 208 vagas para nível fundamental, médio e superior! Até R$ 6.570,95

Prefeitura inaugura Academia de Saúde do Jardim Brilhante


Prefeitura inaugura a revitalização da quadra poliesportiva da Vila Odilon

VAGAS DO PAT OURINHOS PARA O DIA 06/09/2018

MP de SP pede suspensão de direitos políticos de Alckmin

Relatório da PF revela: Temer recebeu recursos indevidos da Odebrecht.


7 DICAS PARA VOCÊ ACABAR COM A INSÔNIA E DORMIR MELHOR

Coca-Cola abre inscrições em estágio para preenchimento de vagas no ano de 2019!


TSE rejeita consulta do Ibope sobre divulgação de pesquisa presidencial


Analfabeto tem receita adaptada por estudante de medicina: ideia viralizou!



Concursos da Polícia Civil 2018 somam 6.969 vagas abertas e previstas! Até R$ 19.242,52!


Casal de juízes que pediu auxílio-moradia tem mansão de R$ 5,8 milhões

APÓS SUPERAR CÂNCER, EMPRESÁRIA CRIA CERVEJA PARA PACIENTES EM QUIMIOTERAPIA

PGR pede que Bolsonaro explique frase sobre “fuzilar petralhas”

PGR pede que Bolsonaro explique frase sobre “fuzilar petralhas”

ISTO É
Crédito: NELSON ALMEIDA / AFP


A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu hoje (5), em ofício enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), que o candidato à presidência da República Jair Bolsonaro apresente esclarecimentos sobre um discurso de campanha feito na semana passada, no Acre, no qual usou as expressões “vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre” e “vão ter que comer capim”.

O pronunciamento da PGR decorre da representação criminal ajuizada na última segunda-feira (3) pela coligação Povo Feliz de Novo, formada por PT, PCdoB e PROS, contra o candidato do PSL pelos crimes de injúria, ameaça e incitação ao crime.
Na mesma manifestação, motivada por um pedido do ministro Ricardo Lewandowski, relator da representação do PT, Raquel Dodge descartou que Bolsonaro tenha cometido o crime de injúria eleitoral, mas diz que continua a analisar a existência de ameaça e incitação ao crime.
“No trecho de discurso acima transcrito, não há referência a pessoas. Personificar ‘petralhada’, expressão usada pelo noticiado, configura elastecimento da responsabilidade penal por analogia ou por extensão, o que é absolutamente incompatível com o direito penal”, afirmou a procuradora.
No entanto, Raquel Dodge pediu que o candidato se manifeste sobre as acusações feitas pelo PT de que também teria cometido os crimes de ameaça e incitação ao crime.
“Considero tratar-se de hipótese de rejeição liminar da representação sob o ângulo da injúria. Em relação aos demais crimes noticiados na representação, para compreender o contexto e a extensão das declarações, solicito abertura de prazo para que o parlamentar representado esclareça os fatos”, argumentou.
ISTO É

EDITAL Polícia Militar vagas para nível médio com salários de até R$9mil

Ex-prefeito é multado em R$ 15 mil por improbidade administrativa

Policial promove candidatura com video em que atira em ladrão em SP


Comunicado de suspensão da CNH é falso e infecta computador

Sem dinheiro, empregos e com alta carga tributária, cidades do Estado de SP dependem mais da União