Acidentes com escorpiões aumentam e causam alerta; risco é maior em crianças



NO BRASIL

Acidentes com escorpiões aumentam e causam alerta; risco é maior em crianças

MAISGOIÁS    02/01/2019

Acidentes com escorpiões aumentam e causam alerta; risco é maior em crianças

Em 2016 foram notificados 91.701 casos no país. Desses, 120 morreram. Em 2017, o numero teve uma alta de 36,2% e o de mortes 19%


O Ministério da Saúde emitiu um alerta sobre os riscos da picada de escorpiões Foto: Fotos Públicas

Após notar aumento no número de ocorrências, o Ministério da Saúde emitiu um alerta sobre os riscos da picada de escorpiões. Em parceria firmada com o Instituto Butantan, o governo federal pretende orientar profissionais da saúde e prefeituras sobre como evitar a proliferação do aracnídeo. Em 2016 foram notificados 91.701 casos no país. Desses, 120 morreram. Em 2017, o número de registros subiu para 124.903 (uma alta de 36,2%) e o de mortes para 143 (crescimento de 19%).
Neste ano, até setembro, 90.382 pessoas já haviam sido picadas por escorpiões, segundo dados do Ministério da Saúde. O número de óbitos ainda não foi fechado. A capital também registrou aumento de acidentes envolvendo escorpiões. Segundo a Covisa (Coordenadoria de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde), até 21 de dezembro deste ano, 248 pessoas foram picadas. O bairro de Brasilândia (zona norte), foi o que apresentou o maior número de casos.
Em 2017, foram 218 ocorrências e, em 2016, 180. O último óbito por picada de escorpião na capital foi registrado em 2015. Para o aracnólogo do Instituto Butantan, Rogério Bertani, o escorpião foi se adaptando a viver próximo ao homem. “A espécie amarela está se tornando cada vez mais um problema urbano. O escorpião consegue viver, por exemplo, em galerias de águas pluviais, que estão espalhadas por toda cidade.”
Segundo Bertani, o combate ao escorpião é difícil, pois não há inseticida eficaz. “Ele se esconde quando percebe produto químico.” O aracnólogo ainda explica que o verão é a época de maior incidência de picadas, pois os escorpiões são obrigados a deixar seus esconderijos.
“Com o calor, as presas que o escorpião gosta de capturar, como baratas e pequenas aranhas, ficam mais ativas. Além disso, as fortes chuvas de verão ajudam a desalojá-los.”
RISCO MAIOR EM CRIANÇAS
As mortes por envenenamento causado por picada de escorpião são mais comuns em crianças. Segundo os especialistas, a maioria dos acidentes desse tipo é causada pelo escorpião Tityus serrulatus (o amarelo).
“A picada de escorpião é muito perigosa para crianças abaixo de sete anos, pois o veneno é bastante potente. A dica para quem mora em áreas de infestação, é colocar em cada pé da cama ou do berço um frasco de vaselina ou óleo de cozinha para impedir que ele suba”, explica Rogério Bertani.
O especialista ainda recomenda que lanternas com lâmpadas ultravioletas sejam usadas para iluminar cômodos da casa. “O escorpião tem uma substância na pele que faz com que fique fluorescente. Assim, ele fica visível à noite.”
INFESTAÇÃO EM CÓRREGO
A dona de casa Meire Pires Ribeiro, 55 anos, reclama que há dois anos quem mora no entorno do córrego da Rapadura, na região da Vila Formosa, na zona leste da capital, convive com a presença de escorpiões nas ruas e nas casas. Há cerca de um mês, ela conta que seu marido viu um escorpião se locomover do banheiro para a cozinha de casa. “Fiquei muito apavorada, sem saber o que fazer. Antes disso, já tinha visto na rua, mas dentro de casa foi a primeira vez”, diz.
Meire vive com a família em uma casa da rua Ararendá. O quintal dos fundos fica ao lado do córrego. “Além dos escorpiões, tenho visto ratos, baratas e muitos pernilongos”, observa.
A vizinha de Meire, a comerciante Mariní Taboni, 62 anos, começou a receber visitas de escorpiões no começo do ano. “De fevereiro até agora foram nove escorpiões. O último apareceu há 15 dias”, conta.
Ela é moradora da rua Zodíaco, onde também mantém um pet shop. A via fica em frente ao córrego. Uma das quatro tartarugas de estimação de Mariní foi atacada por um escorpião. Ela conta que após viu o animal bater o casco contra a parede repetidas vezes. “Era de dor. Ela passou mal durante três dias.”
Ao longo de um ano, a vizinhança diz ter feito diversas solicitações de limpeza do córrego à subprefeitura da região, sem resposta. Só no início de dezembro, funcionários começaram a remoção de mato e entulho.
MAISGOIÁS

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.