PM atira em fotojornalista da Ponte durante manifestação em SP e recusa socorro

PM atira em fotojornalista da Ponte durante manifestação em SP e recusa socorro

16/01/19   

Daniel foi atingido no joelho direito por bala de borracha | Foto: Ponte Jornalismo

Protesto do MPL nem havia saído quando Daniel Arroyo foi atingido por bala de borracha na perna; questionados, policiais que trabalhavam no ato disseram que ‘não poderiam fazer nada’

O fotojornalista da Ponte Daniel Arroyo, 39 anos, levou um tiro de bala de borracha no joelho direito, disparado pela Polícia Militar do Estado de São Paulo, na tarde desta quarta-feira (16/1), quando cobria o segundo ato do MPL (Movimento Passe Livre) contra o aumento da tarifa do transporte público municipal, de R$ 4 para R$ 4,30.
O tiro que atingiu Arroyo foi a culminação de uma série de ataques e provocações lançados pela PM contra manifestantes e jornalistas ao longo da tarde. Pela segunda vez, o ato contou com a presença de policiais identificados com um colete azul onde se lia a palavra “mediador”. Os PMs mediadores deveriam ter a função de dialogar com os participantes do protesto para evitar violências. Na tarde desta quarta, contudo, houve pouca mediação e sobraram tiro, porrada e bomba.
Policiais abordam manifestantes aleatoriamente antes do início do protesto | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Arroyo foi alvejado antes mesmo de o protesto começar. O grupo de manifestantes ainda estava concentrado na Praça do Ciclista, na Avenida Paulista, na região central da cidade de São Paulo. Os manifestantes ainda negociavam com a PM o trajeto que pretendiam percorrer, ao mesmo tempo em que faziam um jogral para comunicar suas reivindicações. Nesse momento, os policiais avançaram sobre o grupo e arrastaram um dos participantes do protesto para “averiguação”. Houve correria e colegas do rapaz arrastado tentaram impedir os PMs de levá-lo. A reação da PM veio na forma de tiros de bala de borracha.
“Um PM à queima-roupa deu um tiro de bala de borracha nesse primeiro manifestante, depois deu um segundo tiro. No que deu o segundo tiro, me acertou. Eu estava a três metros dele”, conta Arroyo.
O fotojornalista Daniel Arroyo relata como foi atingido por bala de borracha pela @PMESP e os policiais se recusaram a socorrê-lo. (continua)
(continuação) O fotojornalista Daniel Arroyo relata como foi atingido por bala de borracha pela @PMESP e os policiais se recusaram a socorrê-lo. pic.twitter.com/VSNbuFrjTe
60
Segundo as próprias normas da Polícia Militar, que constam de um documento secreto revelado pela Ponte, os tiros de bala de borracha só podem ser disparados a uma distância de pelo menos 20 metros, contra um “agressor ativo, certo e específico”. As imagens gravadas por Arroyo do momento em que foi baleado mostram que os policiais não seguiram nenhum dos seus procedimentos:

Momento em que o fotojornalista da #Ponte Daniel Arroyo leva um tiro de bala de borracha da PM de SP durante manifestação contra reajuste da tarifa do transporte. Ainda no local, reportagem foi questionar corporação e pedir auxílio, mas recebeu um "não posso fazer nada"

“No momento em que ele foi atingido, os manifestantes estavam sentados ainda na praça, e do nada a polícia lançou bombas, deu correria e vieram os disparos. Não dá pra saber exatamente de onde partiu, mas foi nesse contexto. O ato nem chegou a sair, a polícia ‘envelopou’. Não queria que saísse”, relatou o repórter da PonteArthur Stabile.

Após ser baleado, Arroyo se dirigiu aos oficiais que comandavam a tropa, em busca de socorro. “Comandante, desculpa incomodar vocês, mas fui baleado com bala de borracha”, avisou. Os PMs abanaram os braços e disseram “não podemos fazer nada”.  O fotógrafo se dirigiu por conta própria a um pronto-socorro, no Hospital São Camilo, no Ipiranga, zona sul. Ele foi medicado e passa bem.
Antes de o fotojornalista ser atingido, a PM já havia feito uma                                                              série de investidas contra os membros do MPL. Diversos                                                 manifestantes foram abordados e revistados aleatoriamente.                                                         Indagados pela reportagem, os policiais afirmaram que agiam                                                         com base em “fundadas suspeitas”, mas não disseram quais.

Após o tumulto, o ato seguiu de maneira pacífica até a Praça                                                                 Roosevelt, na região central, onde se dispersou. Ali, um grupo                                                          de aproximadamente 20 manifestantes “autonomistas”, que não                                                            fariam parte do MPL, se dirigiu até o bairro da Santa Cecília,                                                                onde, segundo testemunhas, passou a jogar lixo nas ruas e andar                                                        em meio aos carros em movimento. Policiais do Caep detiveram                                                        pelo menos cinco desses manifestantes e os levaram até o 2º DP                                                    (Bom Retiro).

‘Na missão de zoar jornalista’


Segundo Arthur Stabile, “o clima estava tenso especialmente contra a imprensa”.                                                                Em vídeos gravados pela Ponte, policiais militares do Caep avançaram de escudo                                                            contra os repórteres e chegaram a lançar uma bomba de gás contra um grupo,                                                                    formado apenas por jornalistas, que acompanhava uma abordagem.
O jornalista João De Mari, 21 anos, sentiu o mesmo, embora participasse do ato                                                          como manifestante e não como repórter. Ele relata que policiais o abordaram                                                                      na esquina das ruas Consolação e Araújo, quando se dirigia à manifestação, e                                                                zombaram dele quando descobriram qual era sua profissão. “Um deles veio atrás                                                              de mim, me puxou pelo braço, me encostou na parede e me enquadrou. Na                                                                       sequência, começou a tirar sarro de mim”, conta Mari.
As zombarias começaram quando os PMs viram que Mari carregava uma bolsa                                                              com a inscrição da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo).                                                              “Ele me zoou que eu era jornalista e que qualquer um poderia ser jornalista, que                                                              não precisava de diploma”, diz. Quando o jovem contou que trabalhava na Casa                                                               do Povo, localizada no Bom Retiro, a duas quadras do Comando Geral da                                                                Polícia Militar do Estado de São Paulo, os policiais disseram em tom ameaçador:                                                         “Quer dizer que vocês ficam pertinho do Comando?”. Antes de deixar Mari ir,                                                                  um dos policiais ficou com sua bolsa. “Eu pedi de volta e ele se negou, dizendo                                                                  que ia devolver depois. Os caras hoje saíram na missão de zoar jornalista”,                                                                      desabafa.
Apesar dos registros da reportagem, a conta oficial do Twitter da PM parecia                                                                tratar de um evento que acontecia em outro local. Em um dos tuítes, informou                                                                que “alguns participantes do ato, não havendo acordo entre o Mediador e os                                                                        manifestantes tentam quebrar a ordem. Ação policial para contenção e                                                                                 restabelecimento da ordem”.

Repúdio

O presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo,                                                          Paulo Zocchi, afirma que a entidade “repudia de maneira veemente a agressão                                                                  da polícia contra os manifestantes, que lutam por um direito legítimo e correto,                                                                por um transporte acessível à população, e a agressão dirigida especificamente                                                                  aos jornalistas”. Segundo Zocchi, ao agredir jornalistas, “a PM está tentando                                                                      impedir o registro da violência contra os manifestantes”.
“A polícia deveria garantir o direito do cidadão se expressar, mas, como a gente                                                                sabe, esse novo cenário do governo Bolsonaro e João Doria, a gente tem que se                                                          preparar para enfrentar uma violência ainda maior das forças policiais. Exigimos                                                              que os policiais respeitem o direito à livre manifestação e o trabalho dos                                                                          jornalistas”, diz o presidente do Sindicato.

Governo passa informação incorreta

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) do governo João Doria (PSDB) foi                                                                    procurada pela Ponte através de e-mail enviado à sua assessoria de imprensa,                                                                  mas não respondeu até o momento.
Por volta das 19h, o major Emerson Massera, porta-voz da Polícia Militar,                                                                            declarou à TV Globo, por telefone, que “uma equipe da PM foi ao local para                                                                      ouvir a vítima [Daniel] e que foi aberto inquérito para averiguar as circunstâncias                                                                do ocorrido”.
Apesar das declarações da PM, contudo, naquele momento nenhum                                                                          representante do poder público havia entrado em contato com o jornalista ferido                                                                  ou com qualquer profissional da Ponte. A única ligação de um policial militar                                                                para Arroyo foi feita por volta das 21h50. O oficial se limitou a informar em                                                                  qual delegacia o jornalista deveria comparecer se quisesse registrar um boletim                                                                    de ocorrência.
PONTE JORNALISMO

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.