Bolsonaro assina pacote anticrime de Moro dividido em três partes

Bolsonaro assina pacote anticrime de Moro dividido em três partes
UOL

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), assinou hoje, em solenidade no Palácio do Planalto, o Projeto de Lei Anticrime, proposta do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O ministro deve ir ao Congresso nesta tarde para protocolar o documento, dando início à tramitação do projeto. Na cerimônia, Moro afirmou que o pacote é uma sinalização de que o governo "não será condescendente com a criminalidade, especialmente a criminalidade mais grave". O ministro lembrou que a proposta foi uma promessa de campanha do presidente e que trata de medidas pontuais, dividida em três diferentes textos, sendo suficiente para o combate à corrupção, o crime organizado e o crime violento.

"O pacote não resolve todos os problemas. Existem medidas executivas em andamento para que essas questões sejam resolvidas, mas esse pacote é importante para caminhar na direção certa, para iniciar um ciclo virtuoso que, esperamos, leve progressivamente à redução desses problemas", disse o ministro. 

"A compreensão do governo é de que estes três problemas estão relacionados. O crime organizado é um fator de incremento dos crimes violentos. A corrupção esvazia recursos e a eficácia de políticas públicas direcionadas ao crime organizado e o crime violento."

Sergio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública

O ministro classificou como medidas "concretas e fortes" as propostas que chegam hoje ao Congresso. O governo tratou das alterações das competências da Justiça Eleitoral em um projeto de lei complementar e a tipificação do caixa dois como crime em um projeto de lei ordinária. Outra proposta trata de pontos como a condenação sem segunda instância, regras para o Tribunal do Júri, meios de investigação sofisticados, bancos nacionais com dados relevantes e política mais dura com relação à criminalidade grave. Ofuscado por Previdência, pacote de Moro pode ter trâmite lento na Câmara.

'Não existe nenhuma licença para matar', diz Moro sobre pacote UOL Notícias

LEIS 

As medidas, que incluem alterações em 14 leis, como o Código Penal, o Código de Processo Penal, a Lei de Execução Penal, a Lei de Crimes Hediondos, o Código Eleitoral, entre outros, são consideradas vitrines do governo. O pacote começou a ser construído ainda no período do governo de transição pela equipe de Moro e busca formas de endurecer o combate a crimes violentos, como o homicídio e o latrocínio, e também contra a corrupção e as organizações criminosas.

Marcos Corrêa/PR/Divulgação
O ministro da Justiça, Sergio Moro, olha para o presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante cerimônia de encaminhamento do projeto anticrime ao Congresso Imagem: Marcos Corrêa/PR/Divulgação

Entre as medidas do texto está a elevação de penas para crimes com arma de fogo e o aprimoramento do mecanismo que possibilita o confisco de produto do crime, permitindo o uso do bem apreendido pelos órgãos de segurança pública. O projeto pretende deixar claro que o princípio da presunção da inocência não impede a execução da condenação criminal após segunda instância. Outra proposta é a reforma dos dispositivos sobre crime de resistência, introduzindo soluções negociadas no Código de Processo Penal e na Lei de Improbidade. O texto conta também com medidas para assegurar o cumprimento da condenação após julgamento em segunda instância, aumentando a efetividade do Tribunal do Júri.

Sergio Moro também defende tipificar como crime o chamado caixa 2, que é arrecadar, manter, movimentar ou utilizar valores que não tenham sido declarados à Justiça Eleitoral. Outro ponto conceitua organizações criminosas e prevê que seus líderes e integrantes, ao serem encontrados com armas, iniciem o cumprimento da pena em presídios de segurança máxima. Condenados que sejam comprovadamente integrantes de organizações criminosas não terão direito a progressão de regime. A proposta ainda amplia - de um para três anos - o prazo de permanência de líderes de organizações criminosas em presídios federais.

Marcos Corrêa/PR
Jair Bolsonaro (PSL) conduz reunião do Conselho de Governo, a primeira realizada após receber alta do hospital Imagem: Marcos Corrêa/PR

REUNIÃO MINISTERIAL 

Mais cedo, antes da cerimônia, o presidente comandou a primeira reunião ministerial após ter alta, na quarta-feira (13), do hospital onde esteve internado, em São Paulo. Na conversa com o primeiro escalão de seu governo, Bolsonaro e sua equipe econômica detalharam a proposta de reforma da Previdência, às vésperas da entrega do texto ao Congresso. O texto deverá ter uma autorização para os estados cobrarem alíquota extra dos servidores públicos a fim de cobrir o rombo da Previdência estadual. Os governadores vão se reunir em Brasília amanhã (20) para debater a proposta com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

UOL



Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.