Eduardo Bolsonaro contrata perito do caso PC Farias para rebater denúncia



Eduardo Bolsonaro contrata perito do caso PC Farias para rebater denúncia

UOL  13/02/2019
Reprodução/Rede TV

  • PGR denunciou Eduardo sob suspeita do crime de ameaça contra Patrícia Lélis
  • Patrícia afirma ter sido ameaçada pelo deputado em 2017 por meio de mensagens
  • PGR identificou que o número é de Eduardo; caso não foi julgado
  • Eduardo anexou ao processo laudo de Molina que afirma que as imagens não são prova
  • Molina trabalhou em casos famosos, como PC Farias e diálogos entre Temer e JBS
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), contratou o perito Ricardo Molina para se defender da denúncia por suspeita do crime de ameaça apresentada ao STF (Supremo Tribunal Federal) pela PGR (Procuradoria-Geral da República).O laudo com a perícia feita por Molina  foi anexado ao processo no final de janeiro, junto com a resposta de Eduardo às acusações. 
O deputado foi denunciado pela Procuradoria com base no depoimento da jornalista Patrícia Lélis, que disse ter sido ameaçada por Eduardo em 2017 para que não mais se pronunciasse sobre uma discussão que os dois travaram no Facebook. 
Lélis apresentou à polícia um vídeo com o registro da suposta troca de mensagens entre ela e Eduardo no aplicativo Telegram, que apaga automaticamente as mensagens um tempo depois de lidas.
O deputado diz que a conversa pelo aplicativo de telefone celular nunca existiu e que Lélis tem um histórico de apresentar denúncias falsas contra outras pessoas.
Em uma das mensagens, reproduzidas na denúncia da Procuradoria, é dito: "Sua otária! Quem vc pensa que é? Tá se achando demais. Se vc falar mais algumaa coisa eu acabo com sua vida".
Em outro trecho do diálogo entregue às autoridades, o número atribuído a Eduardo Bolsonaro afirma: "Depois reclama. Que apanho [sic]. Vc merece mesmo. Abusada".
Na imagem da tela do celular da jornalista juntada ao processo o emissor das mensagens é identificado apenas por um número de celular e uma foto. Na cópia do processo a que a reportagem do UOL teve acesso, não é possível identificar quem aparece na fotografia. 
A PGR oficiou às companhias telefônicas e identificou que o número que aparece na troca de mensagens pertence a Eduardo Bolsonaro. 
Ao STF, a defesa de Eduardo Bolsonaro afirmou que a troca de mensagens foi forjada. 
"Ocorre, simplesmente, que tais mensagens jamais foram enviadas", dizem os advogados de Eduardo em manifestação ao Supremo. "Constituindo o conjunto delas, isso sim, uma montagem ficcional construída pela própria suposta ofendida, com sabe-se lá qual propósito, por meio de uma singela manipulação digital", diz a defesa do deputado, afirmando que Patrícia já teria agido dessa forma em denúncia de ameaça feita contra um médico de Brasília.
A reportagem do UOL não conseguiu entrar em contato com a jornalista.

PGR DIZ QUE EDUARDO ALTEROU CONFIGURAÇÕES DO APLICATIVO

Na denúncia, a Procuradoria trata as imagens da conversa apresentadas por Patrícia como a principal prova da acusação e diz ver indícios de que Eduardo teria alterado as configurações do aplicativo para que as mensagens fossem apagadas automaticamente. 
"Relevante destacar que o denunciado teve a preocupação em não deixar rastro das ameaças dirigidas à vítima alterando a configuração padrão do aplicativo Telegram para que as mensagens fossem automaticamente destruídas após 5 (cinco) segundos depois de enviadas", diz trecho da denúncia assinada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. "Não fossem os prints extraídos pela vítima, não haveria rastros da materialidade do crime de ameaça por ele praticado."
A denúncia da PGR ainda não foi julgada. No STF, o relator do processo é o ministro Luís Roberto Barroso.
No laudo pericial, o perito Ricardo Molina afirma que a indicação do número de telefone do deputado na conversa pelo aplicativo não indica que de fato Eduardo Bolsonaro era o interlocutor, pois a identificação do contato poderia ser facilmente alterada.
Com isso, Molina afirma que as imagens do diálogo não podem ser consideradas como prova.
"O fato de o número pertencente ao deputado Eduardo Bolsonaro aparecer no cabeçalho do telefone celular filmado (supostamente o celular de Patrícia Lélis) nada representa, visto que no cabeçalho é apresentado o número ou nome do interlocutor, conforme cadastrado na lista de contatos do receptor. Assim, se Patrícia Lélis quisesse atribuir a qualquer um de seus contatos cadastrados o número exibido, bastaria simplesmente editar o nome do contato", diz trecho do laudo de Molina.
Molina também afirma ver indícios de que o vídeo possa ter sido forjado. O perito cita ser "estranho" que Patrícia não tivesse o nome do deputado salvo em sua lista de contatos, o que justificaria que a conversa mostrasse apenas o número da linha telefônica. 
O perito acumula trabalhos em casos famosos da política brasileira. Num caso mais recente, Molina foi contratado pelo ex-presidente Michel Temer (MDB) para periciar os diálogos apresentados pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, como prova de que Temer tentou comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ). 
Naquele caso, o laudo de Molina contestou a conclusões da PGR sobre a autenticidade de frases do diálogo que levaram à abertura de inquérito contra o então presidente.
O perito também atuou nas investigações sobre a morte de Paulo Cesar Farias, o PC Farias, empresário e tesoureiro da campanha eleitoral do ex-presidente Fernando Collor, em 1996, e, em 2001, ele atuou como perito em outro escândalo: a violação do painel eletrônico do Senado pelo então senador Antônio Carlos Magalhães (DEM).

Eduardo Bolsonaro fala de pena de morte, Mourão e Previdência
redetv
UOL

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.