Menino de 12 anos constrói reator de fusão nuclear no próprio quarto

Menino de 12 anos constrói reator de fusão nuclear no próprio quarto
GALILEU

ZETA, modelo experimental de reator de fusão nuclear (Foto: Flickr/Timitrius/Creative Commons)
ZETA, MODELO EXPERIMENTAL DE REATOR DE FUSÃO NUCLEAR (FOTO: FLICKR/TIMITRIUS/CREATIVE COMMONS)

Norte-americano é a pessoa mais jovem do planeta a ter montado tal equipamento de forma caseira

Com apenas 12 de idade, o garoto Jackson Oswalt montou um reator de fusão nuclear no quarto de brinquedos de sua casa no Tennessee, Estados Unidos, em janeiro de 2018. Com isso, ele se tornou a pessoa mais jovem do mundo ter construído tal equipamento, segundo o jornal The Guardian.
O grupo de entusiastas nucleares, Open Source Fusor Research Consortium, reconheceu a realização de em 2 de fevereiro deste ano, de acordo com reportagem do portal Commercial Appeal. Oswalt, agora com 14 anos, construiu uma máquina que gera plasma no qual ocorre a fusão nuclear – que esmaga átomos para formar átomos mais pesados, liberando energia. 
Reações nucleares podem ser produzidas de maneira caseira e geralmente envolvem fusão, em vez de fissão (dividir átomos). A fissão requer substâncias muito pesadas e controladas, como o urânio. A fusão envolve os isótopos ultraleves do hidrogênio, como o deutério, que são mais fáceis de adquirir. Quando dois átomos leves se fundem, o "átomo mais pesado" resultante é um pouco mais leve do que os dois que o formaram, resultando em massa adicional que é liberada como energia.
Conseguir a fusão em casa não significa que Oswalt construiu um reator nuclear que poderia gerar mais energia do que é necessário: o instrumento do menino exigiu 50 mil volts de eletricidade e custou US$ 10 mil. 

Segundo o portal Sciece Alert, amadores produzem fusão em pequena escala para ser perigosa para as pessoas. O dispositivo de Oswalt, por exemplo, não poderia ser reaproveitado como uma bomba.
O site Fusor.net emitiu alertas de que reações de fusão impropriamente protegidas podem ser "letais". O princípio básico das fusões é que usam ímãs para suspender isótopos de gás hidrogênio no vácuo, depois bombeiam eletricidade para superaquecer até que os átomos comecem a se fundir em hélio. Para provar que a fusão ocorreu, Oswalt precisou mostrar que os nêutrons (que foram liberados durante o processo de fusão de deutério) foram produzidos.
GALILEU

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.