36 membros do PCC são denunciados pelo MP-PR; facção cometia torturas e tinha acesso ao wi-fi do presídio de Piraquara

36 membros do PCC são denunciados pelo MP-PR; facção cometia torturas e tinha acesso ao wi-fi do presídio de Piraquara

PARANÁ PORTAL


O Ministério Público do Paraná (MPPR), por meio da Promotoria de Justiça de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, apresentou denúncia, nesta esta quarta-feira (6), contra 36 pessoas ligadas ao Primeiro Comando da Capital(PCC), organização criminosa que surgiu na década de 90 em unidades prisionais paulistas e se espalhou por todo o país. Todas foram denunciadas por crimes de organização criminosa e associação para o tráfico.

A denúncia ocorre no âmbito da Operação Pregadura, batizada com esse nome em alusão ao movimento do xadrez em que um jogador imobiliza as peças do adversário. O principal objetivo da operação é imobilizar criminosos de maneira a impedir o reiterado comando da prática de crimes dentro e fora das unidades prisionais.
Entre eles, 29 estão presos, sendo 19 no Paraná – 16 em Catanduvas e três em Piraquara, Região Metropolitana de Curitiba. Os demais estão em seis estados diferentes – Rio Grande do Norte, Roraima, Rondônia, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Wi-fi e tortura

A facção criminosa ordenava crimes de dentro da Penitenciária Estadual de Piraquara. As decisões eram comunicadas por meio de telefones celulares e aplicativos de comunicação. Os integrantes do grupo tinham acesso à internet na prisão.
“Ainda estamos como eles conseguiram, mas é fato comprovado que eles usavam o wi-fi do presídio de Piraquara. É garantir que eles, enquanto presos, não comentam mais crimes”, afirmou o delegado federal Marcos Smith.
Ainda de acordo com o responsável pela investigação, a facção organizava uma espécie de “tribunal do crime”, em que presos que não seguiam as regras eram punidos com tortura e até execução. “Esses presos exerciam disciplina e faziam julgamentos e interpelações sobre o comportamento de outros membros de facção. Durante a investigação, foi constatado um julgamento, um ‘Tribunal do Crime’, com cobranças básicas como o seguimento das normas do estatuto da facção, os chamados ‘livro branco’ e ‘livro negro’, onde são anotados os registros e faltas do faccionado”, completou.
Já a promotora de Justiça, Kelly Caldeira, declarou que o grupo também ordenava rebeliões, compra e venda de armas de fogo e ataques a agentes públicos. Os réus foram denunciados pelos crimes de organização criminosa e associação para o tráfico, mas a promotora disse que o MP-PR vai encaminhar provas em relação ao crime de tortura para outros estados.
“Eles puniam alguns integrantes e praticavam torturas. Mas como eram em unidades prisionais fora de Piraquara, vamos mandar provas para as outras unidades para que apresentem essas outras denúncias”, finalizou Caldeira.
PARANÁ PORTAL

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.