Como vive quem recebe um benefício assistencial do INSS



A conta não pode ser dos pobres?

Como vive quem recebe um benefício assistencial do INSS

MIX VALE

idoso inss benefícios aposentadoria fgts bpc bolsa família

Como vive quem recebe um benefício assistencial do INSS. Diabetes, colesterol alto e doença da tireoide são só alguns dos problemas de saúde que a dona de casa Elvira Pessoa Ferreira, 71 anos, tem. Os gastos com remédios chegam a R$ 300 e a compra de supermercado, a R$ 700. “Meu filho está desempregado há dois anos e mora comigo. Também tenho que comprar fralda para o meu neto”, conta ela, que é beneficiária do BPC (Benefício de Prestação Continuada) e recebe do INSS um salário mínimo, hoje em R$ 998.
O BPC é um benefício assistencial concedido a idosos acima de 65 anos e pessoas com deficiência cuja renda familiar mensal por pessoa é inferior a um quarto do piso salarial. O benefício foi regulamentado pela LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social).
O projeto de reforma da Previdência da gestão Bolsonaro prevê a redução do valor. Pela PEC (proposta de emenda à Constituição), pessoas acima de 60 anos em situação de miséria teriam direito ao BPC, mas receberiam R$ 400. O mínimo só sairia a partir dos 70 anos.
No caso de Luiz Laurentino dos Santos, 66, o BPC ajuda a manter os gastos da casa e também custeia as despesas da esposa idosa –que está doente– e do filho desempregado. “Mas estou com a conta de luz atrasada há três meses”, afirma.
O benefício também não cobre as despesas básicas de Maria du Carmo Fernandes, 56, que tem uma filha de 13 anos com Síndrome de Down, a quem sustenta sozinha. Ela foi demitida do emprego logo que voltou da licença-maternidade e, desde então, não conseguiu se recolocar. Os gastos básicos somam R$ 1.160. “Imagina se eu recebesse menos? Teria que escolher entre comer e morar.”

O defensor público federal André Luiz Naves Ferraz ouve a mesma queixa semanalmente na Defensoria Pública da União, onde que ajuda beneficiários a requererem a renda junto ao INSS. “As pessoas falam: ‘doutor, ou eu como ou tomo remédio’.” Ferraz não é contra a reforma, mas diz que a conta não pode ser dos pobres. Fonte Agora
MIX VALE

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.