Lobisomem no Sul de Minas? Moradores comentam suposta prisão e PM esclarece caso



Lobisomem no Sul de Minas? Moradores comentam suposta prisão e PM esclarece caso



Homem vestido de lobisomem teria sido detido em Bom Repouso; foto foi compartilhada nas redes sociais

(foto: Reprodução/Facebook)


População compartilhou mensagens de que um homem abordava e assustava pessoas à noite em cidades na região


Nos últimos dias, além de todos os temas polêmicos que envolvem o país, um outro assunto dominou as conversas em algumas cidades do Sul de Minas. Moradores de Bom RepousoOuro FinoBueno BrandãoMonte Sião e Jacutinga, entre outros municípios mineiros e até de São Paulo, tiveram que lidar com a preocupação aos perigos nos relatos de um homem transvestido de lobisomem que assustava e até abordava pessoas pelas ruas.









Bom Repouso, no Sul de Minas, teria sido onde a polícia prendeu homem que se vestia de lobisomem para assustar as pessoas
(foto: Divulgação/Câmara de Vereadores de Bom Repouso)

Lendas, mitos e monstros sempre habitaram o folclore pelo interior do Brasil. Há muitos anos, se 
dizia que os ‘causos’ espalhavam feito rastilho de pólvora, dada a velocidade em que as ‘notícias’ corriam a cada município. Em tempos de redes sociais como WhatsApp, Facebook e Twitter, essa dimensão é infinitamente maior. Os relatos rompem fronteiras facilmente e, muitas vezes, acabam aumentando a cada nova cidade alcançada.

Bom Repouso, com cerca de 10 mil habitantes, foi o local descrito onde o lobisomem teria sido preso. Na operação de captura, a polícia contou até com o apoio de militares do exército. De acordo com o texto, o ‘monstro’ havia passado por Jacutinga, Ouro Fino, Monte Sião e Bueno Brandão antes de chegar à cidade. Detido e identificado, o relato apontava um artista de Varginha que tinha a intenção de brincar e assustar as pessoas.

Os moradores de Bom Repouso, como em todas as cidades por onde o lobisomem teria passado, contam que o assunto foi amplamente compartilhado nos últimos dias. “Ouvi e vi na internet, mas acho que é fake. Na delegacia aqui não teve ninguém preso em um caso como esse. Acho que teríamos ficado sabendo”, diz a funcionária de uma pousada local.

“Vi na internet o pessoal comentando sobre isso, já tem uns três dias. Mas é ‘fake’. A polícia costuma me avisar desses ocorridos e não falaram nada”, confirma um funcionário da Câmara de Vereadores da cidade. Varginha é conhecida nacionalmente por ser palco de encontros com extraterrestres e, se pelo menos esse caso não é fictício, é certeza que o do lobisomem não passou de boato.

“É boato. Não tivemos prisão de ninguém nesse sentido. Até no estado de São Paulo  ouviram falar dessa história. Recebi mensagens através do pessoal de São Paulo e
não aconteceu nada disso. É a primeira vez que tomo conhecimento de comentários assim pela cidade”, explica o sargento Andrade, da Polícia Militar de Bom Repouso.

Seria o lobisomem de Joanópolis?

Cerca de 100 quilômetros separam Bom Repouso de Joanópolis, umas das cidades em São Paulo que fazem divisa com Minas. Alguns relatos compartilhados sobre o caso diziam que o lobisomem vinha do município paulista. O resto seria basicamente o mesmo: artista anônimo, andando pelas ruas e assustando pessoas à noite. Essa seria uma teoria até mais plausível.
























Boneco pode ser visto na entrada de Joanópolis, em São Paulo; cidade é conhecida por ser a 'capital do lobisomem'(foto: Reprodução/Prefeitura de Joanópolis)

Joanópolis é conhecida como a ‘joia da Mantiqueira’ e ‘terra do lobisomem’. Historicamente, a cidade aproveita o folclore para atrair turistas e brincar com a situação. “Usamos as histórias e o mito sempre amistosamente para promover o folclore e a cultura na cidade. Nunca tivemos problemas como alguém fantasiado sendo preso por furtos, agressões ou por abordar e assustar as pessoas”, diz Andréa Grunewald, chefe de comunicação do município.

Pela cidade, casas e estabelecimentos comerciais são caracterizados com fantasias. No município, em tempos de festas, artistas se vestem de lobisomem, brincando e posando para fotos com turistas. “Não tem ninguém específico que se veste (de lobisomem). Nas festas, alguém se veste para tirar fotos com turista e promover o folclore. Temos várias referências pela cidade e até uma casa do lobisomem, na Cachoeira dos Pretos, e uma Associação dos Criadores de Lobisomem”, comenta Andréa, que finaliza brincando: “Se fosse alguém daqui, acho que teríamos ficado sabendo em poucas horas.”


(foto: Reprodução/Prefeitura de Joanópolis)
Joanópolis usa o folclore do lobisomem para atrair e brincar com turistas durante festas na cidade(foto: Reprodução/Circuito entre serras e águas)

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.