PMs presos por tráfico desviaram 297kg de maconha apreendidos



PMs presos por tráfico desviaram 297kg de maconha apreendidos

CORREIO BRAZILIENSE


Policiais e promotores, além da Corregedoria da Polícia Militar, cumpriram nesta quinta-feira (6/6) 17 mandados de busca e apreensão na capital federal

Policiais militares do DF são investigados por montar uma ação especial para prender um traficante e, assim, desviar parte da droga em poder dele. Eles responderão por corrupção passiva, organização criminosa, prevaricação e fraude


Durante a investigação sobre uma organização criminosa com ramificações em pelo menos seis estados, a Polícia Civil e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) esbarraram em evidências de um ilícito ainda mais grave: a suspeita de que 17 policiais militares da capital do país se uniram no propósito de prender um traficante apenas para roubar o produto do crime. Essa apuração, realizada pela Divisão de Combate ao Crime Organizado (Draco), resultou nesta quinta-feira (6/6) na deflagração da Operação Dolus Manus, com a prisão preventiva de 13 PMs e o cumprimento de 17 mandados de busca e apreensão em vários endereços, como as residências dos policiais, os batalhões onde estão lotados, a Casa Militar do governo do DF e o Centro de Inteligência da Polícia Militar do DF.

A história é tão crítica que, embora o MPDFT e a PCDF tenham pedido a prisão temporária dos policiais militares, a Auditoria Militar, órgão do Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios, decretou a preventiva, que pode persistir até a conclusão do trâmite judicial. A apuração indica que os PMs em questão se esforçaram para prender o criminoso Antônio César Campanaro, o “Toninho do Pó”, porque queriam roubar parte da droga que o traficante pretendia vender. Havia a indicação de que ele transportaria um carregamento com 500kg de maconha e foi, então, montada uma operação para interceptá-lo.

Segundo os investigadores, os policiais militares criaram um grupo no WhatsApp com o nome de “Op. Five Hundred”, da qual participavam policiais militares da Patamo, de batalhões operacionais e do Centro de Inteligência da PM. Quatro policiais que trabalham nessa área também tiveram a prisão requerida na Operação Dolus Manus, mas a Justiça considerou que não havia por ora elementos para decretá-la. Eles, no entanto, foram alvo de mandados de busca e apreensão, segundo decisão dos juízes Henaldo Silva Moreira e Alessandro Marchió Bezerra Gerais.

A suspeita é de que Toninho do Pó fugiu algemado após ser preso por policiais militares. Uma vizinha, moradora da chácara onde houve apreensão da droga que pertenceria ao traficante, relatou tê-lo visto em uma viatura da PM na companhia de quatro policiais militares fardados. A cena despertou seu interesse, mas ela foi advertida por um dos PMs para que não se aproximasse, segundo depoimento que prestou à Polícia Civil.

Segundo a investigação, Toninho do Pó foi preso e torturado para que entregasse a droga. Ao registrarem ocorrência na 20ª DP, os policiais militares apresentaram apenas parte da apreensão. Dos 500kg de maconha, entregaram 203,5kg. Também não entregaram nenhum preso.

Tortura

A movimentação dos policiais militares apareceu em meio à investigação sobre a atuação de Toninho do Pó, a Operação Torre de Babel. Pessoas próximas ao traficante, que estavam com o telefone grampeado com autorização judicial, relataram o episódio. Sem saber que suas conversas eram interceptadas, a filha do criminoso contou para a tia que o pai havia sido sequestrado e torturado por policiais militares. “Queriam tipo uma propina para soltar ele, só que aí ele pegou e conseguiu fugir, fugiu algemado”, contou. Um suposto fornecedor de drogas também falou sobre o ocorrido e o transporte dos 500kg da droga.

Os policiais militares foram levados para um ala reservada a militares no sistema penitenciário de Brasília, no prédio conhecido como Papudinha. Eles vão responder por crimes de corrupção passiva, organização criminosa, embaraço à investigação de organização criminosa, tortura, tráfico de entorpecentes, prevaricação e fraude processual.

Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram cumpridos por policiais da Coordenação de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado, aos Crimes contra a Administração Pública e contra a Ordem Tributária (Cecor), promotores de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e pela Corregedoria da Polícia Militar. A denúncia está sob a responsabilidade do promotor Nísio Tostes, da 1ª Promotoria de Justiça Militar do DF.

CORREIO BRAZILIENSE

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.