Moro diz que site que vazou mensagens tentou virar "mártir da imprensa"

Moro diz que site que vazou mensagens tentou virar "mártir da imprensa"
Lúcia Valentim Rodrigues, do UOL
2.jul.2019 - O ministro Sergio Moro na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ)
Em sua 11ª ida ao Congresso, o ministro Sergio Moro fez críticas ao site The Intercept Brasil, que vazou conversas suas com integrantes da Operação Lava Jato que indicam orientações enquanto era juiz de primeira instância na condução de ações da força-tarefa.
Segundo Moro, os autores das reportagens tentaram forçar a expedição de um mandado de busca e apreensão e se colocarem como uma "vítima" ou "mártir da imprensa".
"Esse mesmo site, no dia 13 de junho, divulgou mensagens sem qualquer espécie de consulta prévia, um expediente em jornalismo um tanto quanto reprovável. Fiquei com a impressão que o site queria que fosse ordenada uma busca e apreensão, talvez por aparentar uma espécie de vítima, um mártir da imprensa ou coisa parecida", falou em audiência em comissão da Câmara.
Ele usou basicamente os mesmos argumentos de sua ida ao Senado, acusando o Intercept de "sensacionalismo". "O que existe é uma tentativa criminosa de invalidar condenações", afirmou Moro. "Agora me parece que as coisas estão sendo colocadas no devido lugar", disse. Também disse não ser protagonista na Lava Jato.
Os deputados durante a audiência chamaram o procurador Deltan Dallagnol de "cretino" e houve guerra de cartazes com apelidos dados a suspeitos de receberem propina da Odebrecht.

UOL

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.