Juíza do CE desclassifica crime com base em novo decreto de armas

“Oposição não está interessada na educação”, afirma especialista sobre manifestações

“Oposição não está interessada na educação”, afirma especialista sobre manifestações

Agência RÁDIO MAIS

Paulo Pinto/PT

Cientista político Antônio Flávio Testa deu a declaração ao podcast Ilha de Vera Cruz


João Paulo Machado
31 de Maio de 2019

Na última quinta-feira (30), as ruas de todo o Brasil serviram de palco para passeatas estudantis contra o contingenciamento de recursos na educação brasileira, repetindo o roteiro de 15 dias atrás. A pauta - aparentemente - era clara e, dessa forma, não haveria maneiras de considerá-la injusta.

No entanto, a expectativa por um movimento estudantil unido por uma causa de Estado, sem adesões oportunistas ou pautas desvirtuadas, não se confirmou. Essa, pelo menos, é a avaliação do cientista político Antônio Flávio Testa, da Universidade de Brasília.

Após a realização do primeiro ato contra o congelamento de recursos, no dia 15 de maio, o cientista político concedeu uma entrevista ao podcast Ilha de Vera Cruz, da Agência do Rádio. "Houve uma articulação grande dos setores organizados das oposições, comandado pela CUT, o Zé Dirceu para poder fazer uma manifestação articulada contra o governo”, afirmou na ocasião.

A fala de Flávio Testa é corroborada por vídeos e fotografias dos protestos. Muito do que se viu - no dia 15 e agora no dia 30 – foram bandeiras de partidos políticos, de sindicatos e de movimentos sociais, como o MST (Movimento Sem Terra), além de gritos de “Lula Livre”.

“Na verdade, a oposição está muito pouco interessada na educação, porque o contingenciamento não significa corte, significa adiar um pouco o possível gasto com educação. E, na prática, são 3,5%, muitíssimo menos do que os governos do PT fizeram”, lembrou Testa ao podcast.

Veja vídeo produzido pelo PT nas manifestações:




Bandeiras de partidos políticos nos protestos em Brasília:

O cientista político faz referência ao governo do ex-presidente Lula. De 2003 a 2007, o petista deixou de aplicar mais de R$ 20 bilhões em educação. A verba, por determinação da Constituição, deveria ter sido destinada à área.

“Há uma oposição acirrada, as propostas do governo Bolsonaro de modernizar o Estado, de fazer as reformas e ao jogo que ele tentou fazer - que não creio que ele será bem-sucedido nisso - de fazer valer a meritocracia na composição dos ministérios. O ‘centrão’ não vai deixar”, ressaltou o especialista.

A entrevista completa de Antônio Flávio Testa ao Ilha de Vera Cruz pode ser acessada no Spotfy e no SoundCloud.


Episódio #8 do Ilha de Vera Cruz analisa as primeiras manifestações contra o governo Jair Bolsonaro:
 
 Agência RÁDIO MAIS

Prefeitura anuncia lâmpadas LED em mais de 110 ruas e avenidas de Ourinhos

VAGAS DO PAT OURINHOS PARA O DIA 03/05/2019

Aposentados podem ter direito de receber até 41 mil reais do INSS

Reforma da Previdência: Mudanças para os segurados